sábado, 26 de dezembro de 2009

Resoluções de Ano Novo.

- Mudar o layout desse blog.
- Escrever mais nesse blog.
- Profissionalizar o RisosPonto.
- Não terminar o ano com dez quilos a mais do que eu pretendia ter terminado ele em minhas resoluções ano passado.
- Musicar mais poemas.
- Sério mesmo, emagrece esses dez quilos aí até o fim do ano.
- Academia ou estágio?
- Jogar mais basquete.
- Acordar mais cedo (só se eu estiver na academia ou no estágio).
- Dar mais atenção aos amigos (novos e antigos).
- Ser mais cuidadoso com o que diz/faz pra namorada.
- Ter notas melhores na faculdade (estudando o menos possivel).
- Será que eu consigo virar palhaço?
- Acho que não é assim que as resoluções são feitas.


Ps. Queria agradecer vocês três que passam por aqui de vez em quando por terem continuado acompanhando mesmo nesse ano de textos escassos. Não prometo escrever mais que isso ano que vem (droga, apaga aquela resolução ali em cima), vai depender do meu ânimo. Brigadão aí de verdade.

Pps. Pra provar que são só vocês três que me lêem, vou liberar os comentários nesse post.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

A Lona

Levanta, homem!
Não é hora de desistir da luta
Não se entregue a esse filho da puta
Você sabe que ainda não acabou

Coragem, homem!
Você pode fazer isso sozinho
Ande pois você sabe o caminho
Não fraqueje só porque tropeçou

Reaja, homem!
É no topo que você se distrai
Nem vai saber enquanto cai
O que foi que lhe acertou

Primeira Tentativa

Antes a frustração de não ter conseguido
Do que o arrependimento de não ter tentado
Melhor cuspir o fruto comido
Do que nunca ter experimentado
Até mesmo levantar depois de caído
É melhor do que ficar parado

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Vida Passageira

Ele chegava sempre na mesma hora,
E sentava sempre no mesmo lugar.
Quando chegava ele ia embora
Pois só esperava o trem passar.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Nada Por R$ 1,99

Subindo as escadas com sua sacola de compras
Pensava em como sua vida mudou
Não que agora vivesse a água fresca e sombra
Mas qualquer coisa é melhor que ser camelô.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O Aviso

Um sábio me ensinou algo na vida
Que é válido que se diga e repita
Cuidado com stalkers e bebidas
Mas mais cuidado com stalkers, minha amiga.

A palavra Era a Lei.

"Meu reino por batatas", disse o Rei
Em uma época em que tudo que se dizia era lei.
Imediatamente antes da chegada dos camponeses,
Com mil sacos de batatas, cobrando o que era deles.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Miro, o Macaco.

Ele era um macaco, sempre fora um macaco. Mas nem sempre viveu atrás daquelas grades. Quando era menor, no circo onde nasceu, tinha total liberdade de transitar entre todas os trailers com os artistas. Os que ele mais gostava era o do Mágico e do Palhaço. Ria e batia no chão para demonstrar o quanto se divertia. Mas as crianças não iam mais ao circo, preferiam o videogueime e a internete, e o dono do circo teve que se desfazer de alguns bens. Foram vendidos o canhão do homem-bala, o minicarro dos palhaços, alguns trailers e a maioria dos animais. "Como íamos para o mesmo zoológico nem me preocupei, pois não teria o mágico ou o palhaço, mas teria o Elefante, que conta belos casos, e a Girafa, que é sempre uma boa companhia". Apesar de alguns dos animais já terem ouvido falar desse tal de zoológico, parentes que viviam por lá, eles não tinham uma idéia exata de como seria. Um primo do Leão descrevia uma grande floresta onde ele reinava soberano e humanos o obedeciam e admiravam diariamente. Já Rousseau, a Poodle, que antes de trabalhar no circo empurrando carrinhos de bebê morou com uma família comum e já havia visitado o zoológico, falava de jaulas pequenas para animais grandes que aparentavam estar bem abatidos. Mas a maioria dos animais não conseguia entender esses conceitos, vistos que nasceram e foram criados no circo. E ele não sabia o que esperar mesmo. "Aquela sensação estranha podia ser só por eu estar diante de uma situação nova, algo que não sou acostumado, não precisava ser necessariamente uma experiência ruim". Logo que chegou, o levaram a uma veterinária para alguns exames, dormiu em um pequeno caixote (uma daquelas pequenas caixas com grade) por uns dias, imaginando que estavam preparando sua cama em um novo trailer. Quem sabe até moraria com essa veterinária, que talvez não fosse tão carinhosa quanto sua amestradora, mas deveria servir. Doce ilusão, o jogaram em uma jaula com outros macacos parecidos com ele, e uma pequena vegetação falsa. Miro não conseguiu enturmar. "Eles eram bem agressivos. Não comigo, é verdade, acho até que me ignoravam, mas eles atacavam uns aos outros e quando um humano se aproximava, eles pulavam na grade em direção ao humano. As vezes até arremesavam suas fezes!" Quando o tratador vinha até a jaula lhes levar comida, o tratador quase era transformado em jantar. Com a competitividade em seus colegas de quarto, ele raramente conseguia comer, sempre ficava para trás para evitar conflitos. Ele não podia ir até as outras áreas do Zoológico para conversar com seus antigos amigos e os novos "amigos" não eram muito de conversar. Ele não comia mais, não ria mais nem dormia mais, com medo de ser atacado por um de seus companheiros. E aí ele se lembrou de que ele era um macaco, sempre fora um macaco. E mesmo vivendo em uma realidade totalmente diferente da que cresceu, ele agora tinha que se assumir como um macaco que era. "Eu me impus. Fui até o meio da jaula e comecei a gritar palavras de ordem. Para os que tentaram me coibir, mostrei meus dentes, ameaçando-os atacar. Bobagem, todos sabemos que eu não mataria nem uma pulga trapezista. O importante é que eles obedeceram". Ele foi eleito o líder dos macacos, não precisava lutar por comida e quando um de seus companheiros de jaula exagerava, ele o repreendia. Até que um dia, em uma das idas a veterinária, ele descobriu que sua amiga Girafa estava muito doente e morreria em breve. Depois da ilusão de poder, ele sentiu a impotência de nada ter o que fazer. Ele podia controlar seus macacos, mas não podia curar sua amiga. E ele se lembrou mais uma vez do que era: um macaco, sempre fora um. E nesse momento ele desistiu. Se acomodou em sua cela, não mandava mais em nada nem lutava por comida. Os outros macacos, sem o seu comando, rapidamente voltaram a seus comportamentos antigos. Ele foi emagrecendo e definhando. Ele escolheu morrer, por não ver mais solução. Não queria tentar fugir ou voltar ao circo. Pegou as cordas do balanço que estava instalado em sua jaula, preparou-as em uma das árvores e se enforcou. "Nessa hora eu era bem mais que um macaco. Eu me tornei um de vocês, colegas em dedos opositores, o que, acho, eu sempre fui."

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

O Evangelho Segundo Toscano

Velho Testamento - Parte 4

E dez gerações se passaram (e três meses, né? Eu devia escrever mais por aqui) desde aquela história do Noé, dos afogamentos e do barcão. Encontramos nosso herói, Deus, entediado com as coisas que envolvem o céu e o inferno no qual ele passou muito tempo se preocupando (o que é uma bobagem, o tempo é só uma impressão que ele colocou na nossa cabeça) e ele resolveu dar uma olhada a quantas andam aquela galera que ele colocou no mundo que ele gostava de chamar de PESSOAS. Focalizando na árvore genealógica daquele primeiro casal que ele criou e pegando os primogênitos de cada primogênito, chegamos num cara chamado Abrão, que eu vou chamar de Abraão mesmo pra vocês se localizarem quem ele é. Abraão era esse primogênito último que morava com seus pais e sua família em alguma aldeia longe pra caralho há muito tempo atrás. Como ele era a décima geração desde a décima geração contando a partir de Adão, Deus resolveu voltar e bater um papo com ele, ou provavelmente colocar outra pegadinha como ele tinha feito com as gerações anteriores. [off] Ah, Deus, esse velho malandrão, um dia você me mata com suas brincadeiras. [/off] O problema é que como já tinha passado muito tempo desde a última visita de Deus, o pessoal contemporâneo deles já estavam em outra. Adorando outros deuses, umas estatuazinhas e pans. Só que o Abraão viu que tinha uma parada errada em adorar as estatuazinhas, deep inside ele sabia que Deus era um só e que os outros deuses nunca iam ser tão maneiros quando o Deus dele. E Deus pensou "É esse mesmo" e surgiu pra ele.

Deus - Abraão, é o seguinte. Sai dessa terra que ela não te pertence. Te prometo uma terra bem melhor e mais maneira que eu vou chamar de... "Terra Prometida". Nome maneiro hein? Passei os últimos 500 anos só pensando num nome legal.
Abraão - PUTA QUE ME PARIU, QUEM É VOCÊ?
Deus - Quem sou Eu? Essa barba, essa roupa, esses trovões em volta, o fato de eu aparecer aqui do nada, isso tudo não diz nada pra você?
Abraão - Você é... Hum... Num sei, não lembro. Talvez a gente se conheceu em alguma festa e tals, mas eu não lembro.
Deus - Eu sou Deus. Aquele que você acredita e acha que é melhor que os outros deuses e pans.
Abraão - Ah, pô, por que você não disse isso antes? Vamos entrar, te sirvo um cházinho... O que você tava falando de prometer terra mesmo?
Deus - Que gracinha você, eu aceito o chá sim. Então, é assim: você tá aqui nessa terra perdida e eu tenho uma terra cheia de água e fruto onde se plantando tudo dá que num tem ninguém por lá e onde canta o sabiá, aí eu te dou ela, você vira o rei de lá e tudo mais.
Abraão - Mas peraí, qual é a pegadinha? Vou ganhar uma terra assim na moral?
Deus - Tem pegadinha não, vai lá que a terra é tua.
Abraão - Mas eu não tenho que pagar nada? Assinar nada?
Deus - Faz assim, quando chegar e começar a nação por lá, você convence todo mundo que eu sou o melhor e o único Deus e a terra é sua e eu ainda faço você virar pai.

E Deus desapareceu. Abraão contou pra geral o que tinha acontecido e ninguém botou muita fé não. Mas tá de boa, Abraão pegou sua galera (que na real era só sua mulher Sara e seu sobrinho Ló) e foi lá rumo a terra que o Barbudinho tinha prometido. Só que, todos sabemos, it's a long way to the top if you wanna rock'n'roll e o caminho dele não foi fácil. Eles chegaram numa terra lá que eles acharam que era a tal Terra, todo mundo ficou feliz, construiram um templo pra Deus só que o tempo passou e teve uma puta seca lá que num crescia nem cacto até que Ló falou "Tio, ACHO que não é aqui não." e eles foram embora pro Egito. Lá no Egito, o Faraó tentou comer a mulher dele aí nem rolou de ficar por lá não e eles voltaram pra terra que eles acharam que era a Prometida. Lá Abraão foi no templo que ele tinha construído e foi chamar Deus.

Abraão - Porra, Deus! Vim até aqui e só me fodo! Primeiro passo fome, depois querem comer minha mulher! E isso tudo eu nem sei se eu to no lugar certo!
Deus - Eai, Abe! Pra quê essa agressividade toda? Fica de boa aí. O lugar é esse mesmo, você vai ser rico e poderoso e dono do mundo. Tá tranquilo.
Abraão - Ah, falando assim até valeu a pena... Mas, Deus... posso te pedir uma coisa?
Deus - Ai, meu saco. A gente dá a mão e o cara quer o braço inteiro. Pede logo.
Abraão - É porque eu e a Sara já estamos meio velhinhos e não tivemos filhos ainda, você poderia nos dar uma ajudinha?
Deus - Hum... Ok, vou quebrar esse galho, mas presta atenção que você tem que fazer exatamente como eu mandar: transem. Quanto mais vocês fizerem, maior chance de terem filhos. #ficadica.
Abraão - Muito obrigado, Senhor Misericordioso! Seremos eternamente gratos! (emocionado)

E assim, foi. Abraão ficou ricaço, virou dono das terras prometidas por Deus, sua mulher teve um filho, espalhou a palavra, todo mundo curtiu aquele Deus que distribuia terra e filho e as pessoas começaram a acreditar em Deus. Só que esse Deus bondoso não é o mesmo Deus que conhecemos na história que eu contei até aqui, né garotada? Depois de um tempo, Isaque já crescidinho, Deus aparece a Abraão e exige que ele leve o filho prum morro e o mate, como prova de que ele realmente acreditava n'Ele. Abraão pensou "Porra, ele me deu tanta coisa, vou negar matar meu filho? To indo pro morrinho matar o garoto, agora que eu já sei a manha é só fazer outro depois" e levou o Isaque pro morro pra matar o filho em sacrifício. Quando Abraão levantou a faca pra cortar o pescoço do filho, um anjo segurou sua mão e gritou:

Anjo - ARE YOU OUT OF YOUR FUCKING MIND???
Abraão - SAI DAQUI, POMBA MALDITA, SÓ TO CUMPRINDO ORDENS.
Anjo - Velho, mata seu filho não. O Velho tá doido, sai dessa.
Abraão - Como assim?
Anjo - Ah, ele manda vocês fazerem essas coisas só pra tentar enturmar, mas ele já tá meio caquético. Saca só, pega aquele carneiro ali e mata, ele nem vai sacar a diferença.

Abraão fez o que o anjo disse e, realmente, Deus nunca mais voltou pra atazaná-lo. Abraão continuou rico e mandando em tudo até morrer, convenceu geral a acreditar no Deus como único e conseguiu ter um filho. Deus ficou feliz por mais um de seus jogos terem dado certo e já começou a planejar quando ele ia voltar pra testar a fé dos humanos. Quem sabe mandar alguém atravessar um mar a pé com uma galera atrás?


Leia também as outras partes desse belo conjunto de parábolas:
Parte 1 Parte 2 Parte 3

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Sorte do Dia

"Hoje você vai ver um biscoito da sorte que você nunca viu antes" (Orkut)



Caro Senhor que escreve a sorte de hoje no Orkut,

Transferir a responsabilidade para outra pessoa não resolve meu problema.

Agradecido.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

A Teoria da Nuvem Paradoxal.

Eu tenho uma teoria de que o mundo vai acabar no que eu gosto de chamar de "Nuvem Paradoxal". É mais ou menos assim: eu sou uma pessoa que convivo com coisas muito absurdas no meu dia-a-dia e eu gosto muito dessas coisas absurdas que acontecem. Por admirar essas coisas eu acabo gostando de filmes como "The Hangover" (Caralho, ele perdeu um dente. Tem um bebê ali! Puta que me pariu, um tigre! CARALHO, É O TIGRE DO MIKE TYSON.) e séries como "Family Guy" (Velho, por que ele tá brigando com uma galinha gigante?). O inesperado me atrái, o absurdo, o nonsense. O problema que algumas vezes o absurdo ultrapassa todas as barreiras da realidade e é disso que eu estou falando. Um exemplo? Certa vez estava eu no meu msn no que parecia ser um dia normal, de repente abre uma janela com um link, conhecendo meus amigos eu já imaginei que boa coisa não poderia ser, mas nada poderia me preparar para o que estava por vir: Uma foto deste meu amigo com o Ximbinha (sim, aquele do Calypso) na casa do meu amigo. Depois de alguns segundos em choque, onde fiquei com medo de meu cérebro ter derretido de vez, consegui espalhar aquela foto para outros contatos e dividir aquele absurdo com outras pessoas. E é daí que vem meu medo. Minha teoria é basicamente essa: um dia vai acontecer algo tão, mas tão absurdo, um paradoxo tão grande, que o mundo inteiro (não só o mundo, mas todas as coisas existentes no universo) deixarão de existir em uma grande Nuvem Paradoxal (tudo se desintegraria em uma grande nuvem branca causada pelo paradoxo supremo, algo como a palavra proibida que ninguém diz). Alguém vai falar uma frase tão sem sentido e inesperada que vai destruir toda a matéria existente. Durante uma aula comum, um aluno vai levantar a mão e dizer "Professor, acabou o presunto" e essa simples frase vai ser a responsável pelo fim do mundo. Ou talvez, aquela conhecida brincadeira de um aluno entrar na sala de um colega e perguntar "Alguém tem uma furadeira?" e outro responder "Ah, eu tenho!" enquanto tira a furadeira que por acaso trouxe pra escola. Só que dessa vez sem ser nada combinado. A teoria da Nuvem Paradoxal também teria uma explicação para vocês cristãos: Algo muito absurdo aconteceria, Deus olharia pra Terra, cutucaria algum anjo que estivesse do lado dele e diria: "Agora sim eu vi de tudo. Destrua esse Universo que eu vou voltar a jogar The Sims". E a existência iria embora em uma grande Nuvem Paradoxal. Por isso eu tomo muito cuidado com o que eu digo e faço, não quero ser responsável pelo fim de toda a humanidade e quando eu presencio alguma coisa realmente absurda, eu fico esperando tudo se desintegrar ao som de cem mil vozes em um unico grito dizendo "UOP!'.

domingo, 23 de agosto de 2009

Sorte do Dia

"Envelhecer não é tão ruim se você considerar as alternativas." (Orkut)


Dizer que eu to reclamando de ficar velho e que pra não envelhecer eu tenho que morrer vai melhorar meu dia COMO?








Chegamos ao post de número 100 deste blog. Obrigado a todo mundo (vocês três) que me acompanha. =D

sábado, 8 de agosto de 2009

Paulo Enfrenta a Morte.

Paulo jogava xadrez com a Morte toda terça feira a noite. Não se lembrava bem como começou aquilo tudo, mas toda terça feira a Morte entrava em seu apartamento e eles jogavam xadrez. Ela gostava de um pouco de leite no café e nunca aceitava as bolachinhas. No começo Paulo tentou fazer uns jantares diferentes, mas ela não comia, então se limitava a oferecer bolachinhas por já estarem lá mesmo.
- Semana dura essa, hein, Paulo.
- Nem me fale, tive dois casamentos pra arrumar lá na Floricultura e a Eduarda num foi a semana inteira.
- Fui num casamento essa semana, a mãe do noivo não aguentou e eu dei uma passada por lá. Também pra ter uma nora feia que nem aquela melhor morrer mesmo.
- A mãe da Eduarda tava no hospital, caiu da escada e quebrou a bacia, tava internada a semana inteira. Ela não tá na sua lista recente não, né?
- Não, não. Pode falar pra Eduarda ficar tranquila que num é agora que a mãe dela empacota não. Xeque.
- E esse negócio do Michael Jackson, hein? Meio inesperado, né? Ele tava lá todo Rei do Pop, voltando pra fazer uns shows e você...
- Você gostou? Demorei um tempo pra criar coragem mas consegui. Mas tirei uma foto com ele antes, claro. Não é sempre que você tem essas oportunidades, tive que aproveitar. Quer ver a foto? Acho que tá aqui em algum lugar...
- Ah, não precisa. Eu sou um grande fã dos Beatles, você num tem uma foto com o John Lennon aí não? Só pra eu mostrar pra Eduarda.
- Xeque. Ah, o Lennon não, na época eu não tinha a máquina fotográfica ainda. Grande sujeito, esse Lennon. Tinha um negócio meio Paz e Amor e fim as guerras. Admiro isso numa pessoa.
- Só por curiosidade, quem é que escolhe quem morre? É algum sistema de computador ou algo assim?
- Xeque-mate. Até semana que vem, Paulo.
- É... até.
Paulo sempre deixava a Morte ganhar. Isso depois de descobrir que sua vida não estava em jogo, claro. Melhor não irritá-la.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Por Sempre Andar

Ele andava, mesmo sem saber pra onde ia, ele andava. Encontrava pessoas no caminho, desconhecidos, amigos e futuros amigos. Alguns até que caminhavam com ele um tempo mas sempre o abandonavam em alguma parte do caminho para poderem continuar com suas vidas. Ele não, ele continuava a andar mesmo porque não tinha muitas opções, ou era isso ou era a apatia de ficar parado e taí uma coisa que ele não aguentava era ficar parado. Um dia ele conheceu ela que não quis caminhar muito e logo parou. Só que a conversa entre eles estava tão interessante que ele também parou por um tempo para que pudessem continuar a conversa. Ele sentia falta do cabelo dela voando contra o vento da época em que eles andavam e suas próprias pernas já sentiam falta de andar também. Ela não queria mais andar, nunca foi de andar muito e já estava cansada daquilo. Ele ainda tinha a esperança de convencê-la a voltar a andar, ela ria daquilo tudo. Aos poucos ele foi se acostumando a ficar parado, no mesmo lugar por muito tempo, raramente conhecendo pessoas novas que passavam casualmente por onde eles estavam, mas ainda sentia falta do mundo passando sobre seus pés. Um dia, ele explodiu:
- Por que ainda estamos aqui?! Por que não andamos mais?!
Ela riu e pôs a mão no joelho dele:
- Você não precisa mais andar, querido. Você já chegou.
Ele sorriu.

"Por sempre andar, andar
Sem nunca parar
Pequenas coisas vão ficando pra trás"

quarta-feira, 22 de julho de 2009

O Caminho Que Eu Quero Seguir

Eram dois amigos mas, apesar de terem aproximadamente a mesma idade, a relação entre eles era mais de mestre-aprendiz. O, digamos, "Mestre" tinha vivido mais experiências em sua vida do que o, digamos também, "Aprendiz", e isso tinha possibilitado a ele desenvolver um senso crítico muito apurado sem contar sua ótima capacidade de tomar decisões em situações difíceis. O Aprendiz ainda era inseguro, causado por sua inexperiência. A opinião do Mestre contava muito pro Aprendiz e, nas horas de incerteza, era o Mestre que decidia, mesmo que indiretamente, qual rumo seguir. Eles conversavam muito das coisas mais banais às mais relevantes.
Em uma dessas conversas, Aprendiz faz uma pergunta que sempre lhe incomodou:
- Mestre, o que você faz quando tem dúvidas?
- Ah, meu jovem, eu pergunto para os meus próprios mestres.
- E como você sabe quais deles está certo?
- Eu não sei, apenas fico com a resposta que melhor me convier.
- Então um dia eu terei meu próprio aprendiz?
- Não, não. Você não vai ter aprendizes, assim como eu não tenho um nem meus mestres tem. A relação é inversa. É você quem decide a quem ouvir, logo a posse está com você. Você possui mestres, mas eles não te possuem. O dia em que minhas respostas não forem as que você julgar certas, você é livre para sair e se afastar. O que tento passar pra você, além de qualquer conselho que você já tenha ouvido, é principalmente a capacidade de criar suas próprias respostas. Quando você desenvolver segurança no seu próprio senso de direção, com certeza surgirão pessoas menos inexperientes para te perguntar o caminho.
Assim o Aprendiz confirmou que seu amigo era um grande homem e que era esse o caminho que ele desejava seguir.

domingo, 19 de julho de 2009

A Galinha e o Ateu

Hoje o tio Toscano vai trazer pra vocês uma fábula escrita a tanto tempo que ele nem lembra mais. É a história de uma galinha. E de um ateu. Porque o tio Toscano escreveu uma fábula é uma coisa que se perdeu na memória, o importante é que o texto ainda é relevante e vai ser republicado aqui.

A Galinha e o Ateu.

Certa vez, ao deparar com uma galinha atravesando uma rua sem parar, indo e voltando, um ateu pára a galinha e a pergunta as razões que a leva a atravessar a rua, sem pestanejar, a galinha responde: "Para chegar ao outro lado, por que mais seria?". O ateu, notando a confusão da galinha resolve tentar convencer a galinha de que ela está sempre voltando para o mesmo lado. "Mas o Outro Lado sempre está de lá, e por mais que eu tente, ele sempre muda de lugar mais rápido do que eu, mas eu acredito que um dia estarei lá com todas minhas amigas galinhas que conseguiram chegar ao Outro Lado". O ateu, vendo que era inútil tentar convencer uma galinha de alguma coisa, desiste e vai embora. Ao dar uma última olhada, vê, sem poder fazer nada, um caminhão passar por cima da galinha e pensa: "E não é que ela encontrou o outro lado?". E riu irônicamente.

Moral da história: Não interfira nos objetivos dos outros só porque não fazem sentido pra você


(ou qualquer outra coisa que vocês tenham aprendido dessa história boba).

sábado, 18 de julho de 2009

O Evangelho Segundo Toscano

Velho Testamento - Parte 3

E Deus ficou de boa por muito tempo. Depois da criação dos Anjos (que na verdade sempre estiveram lá, só que Deus estava ocupado demais sendo onisciente pra perceber quem o servia), ele passou um tempo se preocupando com os assuntos do Céu mesmo. E foi por tanto tempo que a família de Adão e Eva se mudou da caverna, construiu uma casinha para chamar de deles, teve mais filho, netos, bisnetos, tataranetos e mais uma caralhadada de familiares. E lá pela décima geração da família de Eva e Adão, Deus resolveu lembrar das pessoas que tanto o divertiu nos primórdios da criação. Só que quando ele foi ver, estava tudo banguçado, todo mundo se odiando e se matando. Um absurdo. Assim Deus foi procurar a fonte disso tudo, a família que ele criou primeiramente. E assim surge Noé na história. Noé, um velho com sérios problemas de alcoolismo, esposa e três filhos. Noé, estava descansando em uma árvore em um dia que ele tinha especialmente exagerado no vinho. Deus pensou que aquela seria uma ótima hora para conversar (e assim surgiu a tradição de Deus só aparecer nos momentos em que todos duvidariam que ele tinha aparecido, como pra bêbados, crianças pastores e em pães de forma assados):

Deus - Fala, Noé!
Noé - Caralho! Quase me mata de susto... Quem é você?
Deus - Eu sou Ele.
Noé - É... "ele" quem?
Deus - Seus pais não te ensinaram nada, não? Eu sou Deus! (Raios e trovões estouram no céu)
Noé - AAAAH, me contaram. Aquele que expulsou a gente do paraíso e enganou meu tio-avô?
Deus - Essse mesmo! E aí, como vão as coisas?
Noé - Ah, aqui tá parado, né. Desde o incidente com Caim, nossa família se mudou, teve filhos e tals...
Deus - Aham, aham... Então, eu vim aqui pra te pedir uma coisa.
Noé - Pedir? Bem, não sei se estou em condições de fazer favores... Sabe como é, exagerei um pouco nesse Sangue de Boi aqui... (sorriso maroto)
Deus - Não, é tranquilo. Eu faço você lembrar depois. O esquema é o seguinte, a humanidade tá uma porcaria. Eu passo mil anos fora e vocês já fodem com tudo. Todo mundo se matando, se traindo, vocês são uns merdas.
Noé - Sei.
Deus - Então eu vou matar todo mundo.
Noé - PERAÍ, BRODER. Vamos conversar. O que você quer que eu faça?
Deus - Ó, você vai construir um barco, grande pra caralho e vai colocar um casal de cada espécie de animal dentro dele, pode colocar sua família também.
Noé - Mas onde eu vou arrumar um animal de cada espécie?
Deus - Ah, pega os que você achar que tá de boa.

E foi nessa hora que Noé adormeceu. Quando acordou, Noé foi contar pra sua família o que tinha acontecido e que ele tinha que construir um barcão pra colocar um animal de cada espécie porque ia chover pra caralho e ia matar toda a humanidade. Todos riram. "Ai, ai, esse Noé é um fanfarrão mesmo" sua esposa disse. "Beleza, pai, eu te levo pra cama" disse seu filho mais novo. Mas Noé bateu o pé que não estava delirando e que ele realmente tinha visto Deus e blábláblá... Ok, isso não importa. O importante é que no outro dia nosso intrépido herói começou a cortar árvores pra construir a arca. Como naquela época não existia empregos pra serem perdidos ou qualquer outra coisa pra fazer, Noé conseguiu dedicar todo seu tempo a arca. E os anos se passaram, seus filhos começavam a ajudar a construção do barco e, a cada época de chuva, todo mundo e desesperava e saía catando tudo que é animal que estivesse a vista. 80 anos se passaram(naquela época, 80 anos não era tanto assim), o barco ficou pronto e nada de dilúvio. Os filhos já viam o lado bom, já que se não chovesse, eles ao menos tinham um barco na família (I'M ON A BOAT!). Aí começou a chover e acostumados com os alarmes falsos ninguém fez nada. E no meio da chuva, Deus mandou um trovão que claramente dizia "PORRA, AGORA É NA VERDA!" e Noé deixou de ser um doido construindo um barco e passou a ser um doido juntando animais. E passaram vinte anos de Noé e familiares juntando animais (e mantendo eles vivos na arca), vinte anos de intensa chuva. Quando o barco já começou a boiar, a família toda entrou no barco. Outras pessoas da vila tentavam se juntar a eles e como resposta recebiam risadas histéricas do velho Noé que gritava "QUEM É O DOIDO AGORA, HEIN?". E assim Noé viu toda sua vila ser inundada, e todos os seres vivos da terre OFF-BOAT morrerem. Choveu durante 150 dias, e pra quem acha que passar 150 dias em um barco é o cúmulo da monotonia, tente passar 150 dias em um barco, com seus familiares e um casal de cada espécie de animal existente no planeta.
Um dia, Noé cansado daquela chuva toda e daquele barulho insuportável que fazia os animais, descansava no saguão, quando Deus apareceu pra ele.

Deus - Eai, Noé? Deu tudo certo?
Noé - CERTO? VOCÊ MATOU O PLANETA INTEIRO E TÁ PERGUNTANDO SE DEU CERTO?
Deus - Calma, aí, meu djovem. Olha como você fala com O Pai. Pelo menos eles aprenderam uma lição né? (piscadinha marota)
Noé - LIÇÃO? VOCÊ SÓ PODE ESTAR ME ZUANDO, NINGUÉM APRENDEU NADA PORQUE ELES ESTAVAM MAIS PREOCUPADOS EM NÃO MORRER!
Deus - Ai, ai. Humanos, nunca entendem nada... Ok, fica assim então, pra compensar vocês, a partir de hoje vocês serão mais espertos que os animais e poderão comer carne, só que não podem mais comer carne crua nem matar gente.
Noé - Pra você é tudo uma grande brincadeira, né? O que você quis dizer com "a partir de hoje"? Sempre foi assim!
Deus - PUTA QUE PARIU! AQUI Ó, VOU CRIAR O ARCO ÍRIS E FICA POR ISSO MESMO, ESTAMOS QUITES.
Noé - Vai criar o quê?

E Deus desapareceu. A chuva parou, mais ainda assim eles ficaram um tempão no barco esperando acharem um lugar seco. Um dia, uma pombinha voltou com um galho na boca, aquele era o sinal! Finalmente um lugar seco. Demorou ainda sete dias pra eles desembaracarem e liberar todos os animais. Noé dividiu as terras secas entre todos seus filhos e eles viveram felizes para sempre. Deus mais uma vez grilado com a raça humana, prometeu nunca mais jogar todo seu trabalho com árvorezinhas e outros animais fora por causa dos homens. Deus voltou para o céu para brincar com seus anjos, que eram pagos para ser seus amigos. Enquanto isso, um belo arco-íris se explandava entre as nuvens.

Leia também as outras partes desse belo conjunto de parábolas:
Parte 1 Parte 2 Parte 4

sexta-feira, 10 de julho de 2009

"E agora, Ortega?"

Tinha um garoto que sabia tudo, só não sabia como utilizar essa sabedoria. Não por uma limitação meramente intelectual de saber tanto que não se tem tempo para lidar com tanta sabedoria, mas mais por ele ser burro mesmo. Quer dizer, ele não era burro já que ele sabia de tudo, mas ele era burro por não saber usar nada da sua sabedoria. Nosso garoto não conseguia parar em emprego algum, apesar do seu enorme potencial. Sempre foi bem na escola, conseguiu se formar com louvor na faculdade, mas na vida... na vida o garoto era um pária. Sua inaptidão para lidar com situações era clara e evidente, assim ele não sobrevivia a uma entrevista de emprego sequer, todos os lugares em que trabalhou ele havia entrado por indicação de alguém que sabia de seu desempenho passado. Como não conseguia usar seu conhecimento, ele também não era muito bom com decisões. Aprender com erros não era muito fácil já que, por mais que ele soubesse que algo estava errado, seu instinto sempre prevalecia sobre sua razão.
Até que um dia ele conheceu essa garota. E essa garota era meio que o oposto dele, burra que nem um peixe dourado dentro de um liquidificador mas ótima pra tomar decisões. Apesar de não saber muito o que ela estava fazendo, ela tinha um senso crítico dos diabos e sempre fazia as escolhas certas. E com o pouco conhecimento que ela tinha, ela fazia maravilhas. Conseguiu chegar a gerencia da loja de departamento do shopping, porque organizava as coisas como ninguém. E ela que tinha feito a decoração de sua casa, de extremo bom gosto, não acha? Às vezes ela até fazia suas próprias roupas e isso tudo sem ter habilidade nenhuma, quer dizer, tirando a habilidade de lidar com o que tem.
Eles se conheceram em uma sorveteria, onde ele sabia exatamente os sabores que gostava, mas estava em dúvida em qual levar. Ela simplesmente queria todos os sabores. Ele sentou sozinho no canto e ela, impulsiva, sentou com ele e puxou assunto.
Ela - Por que você demorou tanto para escolher seu sorvete?
Ele - Eu fiquei em dúvida. Eu te conheço?
Ela - Não, só estou puxando assunto. Você sempre come aqui? Nunca te vi nessa sorveteria...
Ele - É... você se importa?
O garoto levantou e foi embora, meio desajeitado. E mais uma vez, o garoto perdeu a chance. Eles nunca mais se encontraram.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Sorte do Dia

"O Segredo da criatividade é saber esconder suas fontes" (Orkut)

Muito apropriado, vendo que estou usando vários fichamentos para poder produzir o meu via RECORTE.


Para quem reclama que esse blog está abandonado e está afoito por pensamentos avulsos, me siga no Twitter! @Gui_Toscano

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Racismo Velado MY ASS.

Estou cansado de ouvir que o brasileiro tem racismo velado. É como se em cada um de nós tivesse um puta cara preconceituoso dentro de si, mas que escondesse isso das pessoas por vergonha ou algo assim. E isso é um pensamento totalmente preconceituoso, o cara fala isso pra tirar o dele da reta: "Ah, eu sou racista e tenho vergonha, então todo mundo que demonstra não ser racista deve ser racista também mas tem vergonha". Eu não sou racista, mas sou totalmente preconceituoso com gente escrota, e quem vem me dizer em racismo velado é escroto. As pessoas comparam nossa situação com a situação dos Estados Unidos, mas esquecem de um detalhe muito importante: nós não temos 10% do "orgulho racial" que eles tem. Nos Estado Unidos, os negros se orgulham de ser negros, os brancos se orgulham de ser brancos e assim vai pra sempre trocando "negros" e "brancos" por "latinos", "irlandeses", "italianos", "japoneses" e mais uma gama de outras "raças" existentes por lá. E por esse orgulho bobo, eles acabam brigando e se matando por causas "raciais". Cara, aqui no Brasil, que é uma mistura de milhões de "tipos", as pessoas nem se definem do mesmo jeito, quanto menos se orgulham dessa definição. Lembro de uma pesquisa há um tempo, onde perguntava-se pras pessoas qual era o tom de sua pele. O resultado foi o mais variado possível de "marrom bombom" a "caqui desbotado". Não temos esse reconhecimento próprio racial aqui, pouquíssima gente que se orgulha de ser "europeu" ou "oriental" ou "negro", e esse é o principal motivo de não termos grandes conflitos raciais, afinal, NÓS NÃO TEMOS RAÇA. As poucas pessoas que são racistas por aqui, acabam caindo na falácia do "Judeu Nazista". O cara é todo negro, aí só porque nasceu branco (por uma brincadeira da genética) raspa a cabeça e vai brincar de Careca do ABC. E não é porque existem pessoas racistas na sociedade que você vai julgar a maioria "não-racista" de esconder esse sentimento ao invés de simplesmente NÃO POSSUIR esse sentimento. Então, você que é racista pode tomar no cu.

domingo, 7 de junho de 2009

Como Usar o Twitter

Aproveitando que expliquei para o @Rafael_Zelmann como funciona o Twitter, editei minha conversa com ele para ensinar a outras pessoas como usar o Twitter. Joguem flechas e me acusem de caçar para-quedistas, mas só estou fazendo um serviço público.

Primeiro, crie uma conta no Twitter. Coloque uma fotinha e um nome para que as pessoas saibam quem é você. Agora siga algumas pessoas que você goste e admire e que tenham Twitter. Logo você vai selecionar quem vale a pena ser seguido ou não. Vamos às liçõezinhas então:

- O Twitter não serve apenas para dizer o que você está fazendo. Você pode dividir o que você está pensando, indicar vídeos, imagens, blogs, músicas que você julga interessantes. Comentar situações que aconteceram com você, com sua família, com o mundo ou com aquele ator que você gosta.
- Para você falar com alguém ou de alguém você coloca uma "Arroba" e o nome de usuário da pessoa. Ex: @Gui_Toscano, @Risosponto.
- Começando a frase com o @nomedapessoa, você manda um "Reply" para alguém, respondendo algo que foi dito ou dizendo algo a essa pessoa. Ex: "@Gui_Toscano seu blog é o blog mais maneiro do mundo!"
- Colocando o @nomedapessoa, você possibilita que essa pessoa, mesmo que ela não lhe siga, consiga ler o que você escreveu. Ex: "Maneiro demais esse blog do @Gui_Toscano, não acham?"
- Na coluna da direita, tem uma linha escrita "@SeuNome", clicando aqui você consegue ler todos os "Replies" ou posts que citam seu nome, mesmo daquelas pessoas que você não segue.
- Se o que você quer dizer pra alguém é mais pessoal e você não quer que outras pessoas leiam, você usa os "Direct Messages", que é tipo um email, só que mais prático.
- Ainda na coluna da direita, os "Trending Topics" são os assuntos mais comentados (geralmente as palavras mais citadas) em todo o Twitter. Clicando em qualquer um dos verbetes lá presentes, você vai para a "Busca do Twitter" e vê os posts mais recentes que escreveram aquelas palavras.
- É comum o uso de # (jogo da velha) para indicar um assunto que você imagina ser interessante ou uma categoria que você ache que seu post se encaixe, facilitando assim que pessoas que se interessem pelo assunto encontre o seu post. Ex: "Essa música nova do #Eminem tá sensacional!", "Cada dia eu me endoido mais com essa série! #Lost".
- Se você acha que alguém disse algo interessante e você gostaria que todos seus seguidores também leiam o que o cara disse, você usa o "ReTweet". Você copia a frase do cara e coloca um "RT" antes. Ex: "RT @Gui_Toscano gente, confira meu novo texto sobre o Twitter no meu blog!"
- Você também pode adicionar um comentário, de preferência antes do "RT" para que não se misture com a mensagem original. Ex. "Leiam mesmo! RT @Gui_Toscano gente, confira meu novo texto sobre o Twitter no meu blog!"
- Agora uma coisa que torna o Twitter uma das ferramentas mais sensacionais do mundo é: você não precisa seguir todos que te seguem! Existem muitas pessoas que seguem milhares de pessoas apenas para que parte dessas pessoas a sigam e assim conseguir "números". São os chamados "massive followers". Não é interessante que essas pessoas lhe sigam pois é impossível acompanhar tantos seguidores ao mesmo tempo, então com certeza essa pessoa não dará a mínima importância para o que você escreve.
- Se você conseguir "ser interessante" as pessoas irão te seguir e interagir com você. Não é uma disputa para quem tem mais seguidores, apenas se concentre em seguir pessoas interessantes, pessoas que digam coisas que lhe interesse.
- E tudo isso desde que encaixe no limite de 140 caracteres.

Espero que tenha sido de serventia. Se alguém tiver alguma dúvida, comentário, elogio ou complemento, me mandem um reply no meu Twitter, @Gui_Toscano. Obrigado pela atenção de vocês.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

O Evangelho Segundo Toscano

Velho Testamento - Parte 2

Aonde paramos? Deus tinha expulsado a galera do paraíso, né? Ok. Então, o homem e a mulher, que pra efeito de constagem vamos chamar de Wall-e Adão e Eva, tinham sido expulsos do paraíso porque a mulher tinha comido a maçã que num podia ter comido. Adão ficou puto, mas como ele tava comendo o "fruto" também, ele aceitou e foi embora com a Eva. Foram os dois morarem numa caverna um tempo enquanto a humanidade não desenvolvia a arquitetura e a engenharia. Nessa de ficar na caverna e não ter televisão, Adão e Eva tiveram um monte de filhos, mas tinham dois em especial: o mais velho chamava Caim e o outro se chamava Abel. Os dois eram tipo, broders, saca? Daqueles que mandam o Patrick e a Gripe Suína via orkut, e que se jogam no mesmo time no Campeonato Brasileiro 2500 a. C. do super nintendo. O problema foi que eles cresceram com aquele sentimento ruim sobre Deus, afinal, ele tinha sacaneado os pais deles o que tinha feito eles se mudarem do Jardim Bonito das Flores Cheirosas pra Caverna Úmida do Piso Cagado. Então eles sempre tentavam compensar o erro da mãe deles. Certo dia, os dois mais crescidos, Caim tinha uma plantação e Abel cuidava das ovelhas, um dos dois teve a idéia: "Pô, quem sabe se a gente num levar uns presentes pra Deus, ele num deixa a gente voltar pro paraíso, perdoa a galera e todo mundo volta a viver feliz no J.B.F.C.?". Não importa quem foi que deu a idéia. Beleza, Caim foi lá na sua plantação pegou uma cesta com seus melhores frutos enquanto Abel matou um Cordeirinho de Deus pra levar pro próprio. Chegando lá no paraíso, eles foram falar com Deus:

Deus: - Eai, galera! como vocês estão? Sumiram aqui do paraíso... BRINKS EU QUE EXPULSEI!
Caim: - Então Deus, a gente veio aqui te dar uns presentes, só na moral, tipo, forma de agradecimento por você ter feito o fogo, a água, a terra, o vento e o coração.
Deus: - Pô, que maneiro. Adoro presentes! E nem é meu aniversário! Po, o que vocês trouxeram?
Caim: - Então, BigD (posso te chamar assim?), eu trouxe aqui umas frutinhas maneiras pro senhor. Tem de tudo aqui. E esse aqui do meu lado é meu irmão mais novo... Deus: - Eu sei, sou onisciente.
Abel: - Ó Grande @OCriador, eu trouxe uma ovelha aqui, pro senhor, mas o senhor me desculpa, nem tenho certeza se o senhor come carne e essas coisas, sem contar que era um Cordeirinho de Deus.
Deus: - FINALMENTE ALGUÉM FALANDO MINHA LÍNGUA! Chega ae, Abel, entra aí no paraíso e vamos fazer um churras esperto!

Abel, sem saber como agir, entra no paraíso e vai lá curtir o churrascão regado de vodca e de funk. Caim fica na entrada com suas frutinhas. Puto. E voltou pra casa. Chegando em casa, conta a história pros pais, que ficam superorgulhosos do filho mais novo, o que deixa Caim mais puto ainda. Caim fica lá com raiva a tarde inteira, pensando em mil maneiras de se vingar de Deus e do irmão. Lá pelas tantas da manhã, chega Abel, totalmente embriagado, sendo carregado por uns anjos que o deixam lá na porta da caverna. Caim, que ainda estava acordado, vai lá, pega o irmão alcoolizado leva prum mato, desce o cacete nele até ele morrer. E Caim entrou no Livro dos Recordes como O PRIMEIRO HOMICÍDIO DA HISTÓRIA! Pelo menos, alguma coisa né? Então, no outro dia, Deus dá uma passadinha na casa de Adão e Eva pra perguntar pro Abel o que que ia rolar a noite (pois naquela época não tinha telefone ou msn). Caim atende a porta:

Deus: - Eaí, Caim? Tá de boa?
Caim: - To de boa.
Deus: - Seu irmão tá aí?
Caim: - Num tá não.
Deus: - CARALHO, VOCÊ MATOU SEU IRMÃO, SEU ESCROTO.
Caim: - Uai, mas como você sabe?
Deus: - Eu sou onisciente.
Caim: - Então... porque você veio até aqui me perguntar se ele estava?
Deus: - Você tá muito folgado. Dá umas frutinhas e já acha que tem intimidade. Saca só, você tá condenado a ser um perdido. Nada que você plantar vai crescer!
Caim: - Pô, grande merda. Eu andando por aí, depois de ter brigado com o Senhor, o primeiro que me encontrar vai me matar.
Deus: - Ai, meu saco. Beleza, tá reclamando? Então quem te matar vai sofrer 7 vezes o que você sofrer, faliô?
Caim: - Faliô.

Caim, pegou uma das irmãs como esposa (na época não tinha opção, ou comia a irmã ou não comia ninguém) e foi seguir sua sina, vagando por aí sem rumo, vivendo de escambo para conseguir comida. E Deus foi embora, mais uma vez grilado com aquela família maldita, espalhando a fofoca que Caim na verdade era um filho da cobra (da história anterior) e não de Adão. Justo agora que Deus tinha feito um amigo...

Leia também as outras partes desse belo conjunto de parábolas:
Parte 1 Parte 3 Parte 4

Sorte do Dia

"Todos ganham presentes, mas nem todos abrem o pacote." (Orkut)


Ótima tradução de "Everyone is gifted - but some people never open their package".

Google, if you can't speak portuguese, don't even try.
"Your 'Language Tools' make us want to poop in our mouth."
Translate this.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

A freira

The num keeps a secret
About the world and the truth
By God, Himself, it was given
She would public, if she could.

sábado, 2 de maio de 2009

Pára de se esconder, amigo.

Vocês não merecem ler isso, mas devido ao tom do texto o lugar dele é aqui mesmo.

Eu sempre justifiquei o fato de não ter comentários nesse blog aqui dizendo que as pessoas não comentam e eu prefiro imaginar que elas comentariam se pudessem do que ter a certeza de que elas não comentam. Porém tem outra coisa que me dá nojo em comentários, e que eu nunca tinha pensado até eu ver isso na minha carne e de meus amigos nesse meu novo blog Risos: o anonimato. Eu sempre tive nojo de perfis falsos no orkut e a base do anonimato em comentários é basicamente a mesma. A pessoa não se identificando, ela tem coragem para dizer o que quiser. E o que ela quer dizer, que a leva a se esconder pra ter que dizer, na maioria das vezes machuca ou provoca desordem. É legal ouvir a opinião de todo mundo, mas é bem mais legal saber quem está emitindo essa opinião para que seja dada um mínimo de credibilidade. Mas raramente esses "anônimos" são amigos. O cara não entende o que foi escrito, as vezes nem lê, interpreta da maneira mais incoveniente (e muitas vezes mais improvável) possível, se ofende, e vai descontar essa raiva todo nos comentários do texto que desencadeou essa ira. Aqui entra uma parte que eu não entendo: será que as pessoas não conseguem entender que aquele texto é só uma opinião, não é uma verdade absoluta que será imposta a tudo e a todos, não foi escrito com a intenção de ofender elas pessoalmente, e, cara, é só uma opinião diferente da sua! Não é necessário xingar, desmerecer, repudiar, amaldiçoar até a terceira geração, chutar seu estabilizador, ir atrás do autor no recreio, roubar o dinheiro do lanche, colocar a cabeça dele na privada e dar descarga. Ok, que nós (autores dos blogs) pegamos pesado as vezes, tocamos em assuntos delicados ou ofendemos um grupo, mas são só generalizações, muitas vezes é só uma forma exagerada de colocar as coisas para dar um tom mais dramático pro texto. Só que o que você, sujeito que aproveita que está escuro pra pegar na bunda da mocinha mais próxima, diz pode nos ofender. É um autor contra uma infinidade de potenciais leitores, não dá pra competir. Nós também temos sentimentos, temos defeitos, e nós sabemos disso. E o que você fala no seu comentário é direcionado a um só autor. Tenha dó da gente, não estamos obrigando você a ler nosso texto, MUITO MENOS a concordar com o que é dito. Você tem toda a liberdade de marcar nosso site como pornografia para que ninguém no seu trabalho entre, ou falar pra todo mundo que nosso site é uma merda, que não temos nada na cabeça e que somos burguezinhos vendidos pro sistema, porém, ao menos tenha a decência de mostrar sua cara, como nós mostramos a nossa. Fale o que quiser, mas ao menos coloque sua cara a tapa como nós colocamos a nossa. Liberdade de expressão é garantida por lei, mas o veto ao anonimato tá lá também no mesmo parágrafo. E lembre-se que nós, blogueiros, somos pessoas também.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Sorte do Dia

"Sorte de hoje: Pratique exercícios hoje" (Orkut)




Você tá me chamando de gordo? Assim vou deletar todas minhas fotos do meu perfil. Nem os sites te respeitam mais.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº18: Salada realmente emagrece. Mas não por que faz bem e bláblábláWHISKASSACHEblábláblá mas porque alface traz volume pro prato, aí você acaba colocando mesmo comida (aquela de verdade) do que você colocaria se não tivesse colocado a salada, comendo menos, você emagrece. A técnica é você colocar a salada antes de colocar todo o resto, que você continua comendo um puta prato imenso, porém, composto 60% por alface. Corta tudo e mistura. Você nem vai perceber que está comendo.

obs. Esse aviso é pros hominhos. Não é válido para as menininhas que comem salada antes da comida.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Era uma vez... (Branca de Neve)

Era uma vez, num reino muito distante, uma princesa. Essa princesa era branquela. Tipo branca fudido, saca? Tipo Michael Jackson nos anos 90,sabe? Pois é, tinha essa princesa lá. E a mãe dela tinha morrido há um tempo já e o pai dela já tinha casado de novo. Por definição, a esposa do pai dela era a madrasta dela. E essa madrasta nem curtia muito a nova filha não, aquele negócio de disputar atenção do pai e o pai ser um frouxo e não tomar partido. O pai é tão frouxo que ele nem vai fazer parte da história não, ele só serve pra você localizar a madrasta. Ok, voltando. A madrasta era doida. Sério, era doida mesmo. Ela conversava com o espelho e perguntava "Eai, espelho, quem é a mais gostosa?" e o espelho respondia que era ela. O que é nóia, né? Espelho respondendo, meu saco. Ela que se respondia. Que seja, ela era doida e com doido a gente não discute. Pois é, ela sempre se perguntava que era a mais bonita e sempre se respondia que era ela mesmo. Só que um dia teve um problema, e é aqui que começa a ficar interessante. A madrasta (que era doida) um dia se perguntou e teve uma resposta diferente. O espelho disse pra ela que quem era a mais bonita nem era ela não, que ela tava viajando e que ele preferia mil vezes comer a princesa anêmica do que aquela coroa que ficava enxendo o saco dele todo dia. Pois é, doida. "Ah, meu reflexo discorda de mim!". Depois dessa epifania onde ela descobriu que a enteada dela era mais bonita que ela, ela surtou. Mais ou menos, né? Ela já era meio surtada. Então, ela chamou um dos serviçais do castelo e falou que ele tinha que dá um sumiço na menina pálida. Como um bom lacaio, ele foi dar um jeito nisso (ele devia estar comendo, ninguém faz esses favores de graça assim). Sequestrou a menina, levou ela pro mato e estuprou ela ficou com dó dela. Então em vez de matar, ele largou ela no mato e falou pra ela num voltar mais pro castelo que a madrasta tinha mandado ele matar ela e que ele ia matar um carneiro, fazer um churrascão na laje e levar o coração do carneiro pra madrasta falando que era o dela. Tudo bonito, o serviçal comendo a madrasta de novo, a princesa perdida na floresta. Como a menina não podia (nem sabia) voltar pra casa ela ficou lá na floresta mesmo conversando e cantando com os bichinhos, até que (essa é minha parte preferida) ela encontrou uma casinha pequenina, com móveis pequenos, cômodos pequenos, camas pequenas, cadeiras pequenas era... UMA CASA DE ANÕES, CARA! TIPO, UMA CASA ADAPTADA, SACA? COM ESCADINHA NA PIA E TUDO MAIS. E não era apenas um anão que morava na casa, contando as camas tinha pelo menos uns SETE ANÕES. Cara, imagina uma casa com sete anões? Sensacional. A princesa, que não tinha muito o que fazer nem pra onde ir, deu uma geral na casa, juntou umas 5 caminhas de anões e foi dar um cochilo. Os anõezinhos que moravam na casa, que realmente eram sete, trabalhavam numa mina de diamantes. Não era muito claro se eles eram irmãos ou se moravam juntos apenas pela casa ser perto da mina. Também não era claro se antes haviam mais anões que trabalhavam na mina ou se eles eram personagens do Senhor dos Anéis. O importante é que eles voltaram pra casa depois do serviço, cansados e encontraram uma menina na flor da idade deitada na cama deles. Eles, como anões e trabalhadores de minas não são acostumados a ver muitas mulheres então eles fizeram um gang-bang nela estavam realmente assustados com aquela situação toda. O mais velho deles, chamado de "Mestre" foi sensato e disse a todos pra esperar ela acordar pra ver o que estava acontecendo. A princesa acordou, explicou pros anões que tinha sido expulsa de casa pela madrasta e que cozinharia, limparia a casa e lavaria as roupinhas dos anões em troca de abrigo. Os anões concordaram apesar de ela deixar claro que não haveria sexo. E lá ficou nossa princesa, morando com sete anões. Eles trabalhavam o dia inteiro, enquanto ela colhia frutas, arrumava a casa, conversava e cantava com os animais do bosque encantado e cozinhava para receber os anões de noite. Eles faziam festas, bebiam, dançavam em volta dos seus sombreiros e chutavam a própria cabeça, lutavam muaythai, esse anõezinhos malandros. Tudo ia bem até que... Lembra da madrasta doida? Pois é, mesmo depois de dar um sumiço na filha postiça, de dar uns amassos com o serviçal, ela ainda era noiada com a parada do espelho e continuava perguntando quem era a mais bonita (e se respondendo). O esquema é que ela fez a tal pergunta ("Quem é a mais transona do reino?") e ela novamente recebeu uma resposta que não queria ouvir: "Não és tu, nem a Cinderela. A mais transona é tua filha branquela". O que poderia ser explicado por esquizofrenia, uma simples múltipla personalida ou transtorno bipolar, foi interpretado como uma resposta do espelho. E foi assim que a madrasta descobriu que a princesa tava viva. Ela chamou o serviçal, pagou um puta sapo pra ele e mandou ele para a forca. De nada adiantou o sermão, né, já que ele foi pra forca. Antes de morrer, o serviçal confessou que tinha ficado com pena da menina ("Tadinha, ela era tão anêmica") e soltou a menina na floresta pensando que ela morreria de desitratação, queimaduras de sol ou seria devorada por ursos. E quem morreu foi o criado mesmo. Nada contra o proletariado, um abração pra todos nossos leitores proletariados, mas esse cara mereceu morrer mesmo. Se eu fosse rei e mandasse algum criado fazer alguma coisa e ele não fizesse eu matava mesmo, sem dó. Voltando, o que a madrasta fez? Ela pensou "Se você quer que algo seja feito, faça você mesmo" e foi atrás da menina na floresta. Em pouco tempo, e com o uso de informantes pela florestas (nunca confie em animais que falam)ela descobriu que a menina estava de empregada doméstica pra uns anões que trabalhavam numa mina de diamante. A madrasta se disfarçou de velhinha vendedora de maçãs e foi bater na porta da casinha dos anões uma hora em que a empregada estaria sozinha. ela bate na porta:
- Quem é?
- É uma simples velhinha querendo vender umas maçãs.
- Os patrão tá em casa não. Tenho dinheiro não.
- Ô menina, você tem uma voz tão doce, abre a porta e venha comprar umas maçãs.
- Por que alguém compraria uma maçã da senhora? Estamos na floresta, o que mais tem por aí é maçã.
- ABRE A PORRA DA PORTA AE E COMPRA A MERDA DA MAÇÃ, DOMÉSTICA MALDITA!
- A senhora é muito grossa, vou abrir a porta não.
- Desculpa, minha jovem. Abre a porta que eu lhe darei uma maçã de graça.
- Ah, de graça eu quero, né? Sabe como é, a gente num recusa coisa de graça, né dona?
Aquela, né? Sua mãe não te ensinou a não aceitar doces de estranhos? Pois é, a menina inocente mordeu a maçã que estava envenenada, vendido por sua própria madrasta disfarçada de velhinha insuspeita. Caiu na hora. A madrasta voltou pra casa triunfante. Quando os anões chegaram em casa depois de um longo dia de trabalho, encontraram seus quartos sujos, não havia comida pronta e nem cuequinhas de anões limpas. Um absurdo, enquanto três deles discutiam quem tinha falado que ela iria embora na primeira oportunidade outros três pensavam em como iam limpar a casa agora que a menina tinha ido embora e um procurava a menina. O menor deles (que devia ser bem pequeno, visto que eram anões), que tinha nome do ex-técnico da Seleção Brasileira de Futebol. O mais burro deles. Não o técnico mais burro, mas o anão mais burro. E foi ele que encontrou a menina desfalecida no quintal do lado de fora. Depois da comoção geral, discutindo se ela estava dormindo, era epilética ou tinha morrido mesmo, chegaram ao consenso de que, já que ela estava fedendo, ela morreu e que iam enterrar ele no outro dia. Colocaram em vários caixõezinhos unidos por fitas tape e deixaram ela no quintal mesmo pra enterrar. No outro dia, todos os anõezinhos colocaram seus terninhos pretos e foram enterrar a princesa. Durante o cortejo fúnebre, passa um cara montado em um cavalo e vê a cena, no mínimo, inusitada (pra não dizer bizarra). Sete anõezinhos de terno levando uma caixa imensa de madeira. Eu riria se eu visse isso. De verdade. Então, o cavalheiro/cavaleiro, se identificou como principe e perguntou o que tinha acontecido. Depois de ser informado da trágica morte da princesa ele pergunta se pode dar uma olhada na princesa. Apesar de os anões terem achado aquele pedido meio esdrúxulo, eles eram sete anões levando uma caixa imensa de madeira, quem eram eles pra julgar se algo é esdrúxulo. Deixaram. O príncipe, que há pouco tinha feito aulas teóricas de direção, sabia tudo sobre primeiros socorros. Olhou para os peitos o pulmão dela, observou a respiração, o pulso e realizou a técnica de desengasgo Heimlich. No que a menina cospe o pedaço de maçã fora e acorda! Os anões entram em festa, o príncipe pulava feliz e a princesa ressucitada contando sobre sua Experiência de Quase Morte. O príncipe encoraja ela a voltar para o reino e contar tudo para seu pai, que mal tinha notado que a filhava andava meio sumida. E assim acontece. O rei expulsa a esposa de casa, Branca de Neve se casa com o príncipe e os anões começam a receber uma pensão do rei, o que possibilita eles a abandonarem a mina de diamante, construírem novas adaptações para anões na casa e contratarem uma nova empregada. E eles (os anões) viveram felizes para sempre.

domingo, 19 de abril de 2009

Analisando: The White Stripes - We're Going To Be Friends (Clipe)





Começa o clipe, Jack White sentado, Meg White deitada, os dois no mesmo sofá em um lugar aberto. no fundo uma casa. Jack toca e canta. Ele cruza a perna, no fundo umas sombras se mexem. Meg continua deitada. Jack tá sentado tocando violão. Descruza as pernas. Mr. White não faz nenhuma feição. Uma pequena movimentação com o corpo. Jack olha para o nada. Jogadinha de cabelo. Outra mexida de corpo. Meg dormindo. Ele olha pra ela. Ele ainda está sentado tocando violão. Outra mini jogada no corpo. Mais uma (ligeiramente mais violenta). A música acaba, ele dá um cutucãozinho de leve na Meg pra ver se ela tá acordade e ABSOLUTAMENTE NADA ACONTECE NO CLIPE INTEIRO. FIQUEI AQUI ESPERANDO ACONTECER ALGUMA COISA E NADA ACONTECEU.


Seguramente ele mostra nesse clipe que os homens são superiores, já que a Meg pode ficar ali dormindo no sofá que eles tem no quintal que ele vai gravar o clipe mesmo assim. E mostra também que ele nem precisa se esforçar muito já que ele deve usar umas 4 notas ali (inclusive são as quatro notas que eu conheço) pra fazer uma música, gravar um clipe e nadar em dinheiro. O cara é bem inteligente, idiota sou eu que gosto dessa porcaria. Nunca mais vou recuperar esses dois minutos e meio de tensão esperando algo acontecer. Nunca mais.

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº17: Quando está tendo rebelião na cadeia, os presos, para chamar a atenção sobre suas reivindicações, muitas vezes queimam colchões e roupas. Eu acho que, a não ser que eles estejam reivindicando colchões e roupas novas, essa forma de protesto é totalmente estúpida.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº16: Eu acho anões SUPER ENGRAÇADOS. não estou falando de anões comediantes, estou falando de anões, anões mesmo. Um filme pode ser ruim, mas tendo um anão, já vale o filme. Mesmo que seja um filme pornô com o Mini-Me, sempre vale a pena. Não é preconceito, já que não estou julgando a integridade de ninguém. Eu acho. É crime rir dessas coisas? Sei que é antiético e contra a moral, mas é, tipo, contra a lei? Mas como não rir de um anão chutando a própria testa?

quinta-feira, 9 de abril de 2009

"Eu te desprezo" da Semana: Mallu Magalhães. (Blog Risos.)



Lembro-me como se fosse ano passado quando, ano passado, me mandaram o myspace de uma menininha de uns 15 anos que cantava e tocava umas músicas bonitinhas e que estava fazendo um certo sucesso pela internet a fora. Entrei, ouvi as músicas e pensei "Né? É bonitinha mesmo, tem futuro, pode crescer e essas coisas". Como eu costumo correr atrás das coisas que me agradam, fui no youtube e vi uns vídeos dela fazendo umas participações em programas de internet. Tipo um daqueles programas que grandes portais fazem pra ser veiculados basicamente em seus sites, sabe? Pois é. Primeiro achei um vídeo dela cantando em português, achei legal até, as músicas dela em português tinham um charme juvenil e ingênuo que não era tão passados assim nas músicas disponíveis em seu myspace. O problema começou quando achei um vídeo dela cantando "Folson Prison Blues" do mestre Johnny Cash. Horrendo. Sério, não consegui terminar de ver o vídeo pois meu cérebro estava com vontade de sair da minha cabeça e pular pela janela. Com certeza, a caveira do Mestre Cash estava arranhando a tampa do caixão naquele momento (e continua arranhando cada vez que alguém vê aquele vídeo).

Depois disso as coisas só pioraram, ela foi dar entrevistas para a grande mídia. Pior, ela foi dar entrevista no Altas Horas em um dia em que EU ESTAVA ASSISTINDO. Monossilábica, com ar avoado, e porra! ELA FEZ UM DESENHO DE DUAS PESSOAS DA PLATÉIA ENQUANTO ESPERAVA ENTRAR NO PROGRAMA. NÉ? A impressão que tive foi que ela era só uma criança, mas foi quando eu comecei a pensar que com 15 anos, eu não era assim. Com 10 anos eu não era assim. Tenho minhas dúvidas se com 8 anos eu era assim.Pouco tempo depois, ela veio dar um show em Goiânia (Rock City, segundo alguns roqueiros bairristas). Como foi em um festival com muitas outras bandas, eu estava lá. E entrei no show, mesmo com as milhões de pessoas que queriam entrar, eu dei um jeito. E foi aquilo né, ela cantou umas 4 músicas, jogaram chiclete nela ("Por que vocês jogaram chiclete em mim? Vocês não gostam de mim?") e MAIS JOHNNY CASH. Sério, o que eu fiz pra merecer ver aquilo ao vivo? Eu devo ter usado o nome de DIO em vão. Só pode.

Mas não, não acaba por aí, pouco depois de eu descobrir que ela namorava o Hélio Flanders (diga-se de passagem uma das pessoas mais desagradáveis que já presenciei), descubro que ela largou o tal vocalista do Vanguart para ficar com... (suspense) Marcelo Camelo! Foi quando todos pensamos: "Mas ele num era casado? Ele num tem 40 anos? Ele não tem bom senso? Ela não é legalmente retardada?". Apesar dos protestos gerais, eles continuaram o relacionamento, gravaram juntos, tocam juntos em shows. E quando ela vai dar entrevistas, apesar de responder com "Uhum" e "Não" as perguntas que exigem uma resposta com mais de três palavras, quando ela ouve a palavra "Camelo" ela junto todo seu léxico conhecido para dizer a frase "O que isso tem a ver com minha carreira?". TUDO, minha filha. TUDO. Ou você acha que teria durado tanto tempo se não tivesse conseguido um "apadrinhamento tão forte" quanto o do Loser Mano?

Mallu Magalhães, você definitivamente não será a "Next American Top Model".



terça-feira, 7 de abril de 2009

O Evangelho Segundo Toscano

Velho Testamento - Parte 1

Era uma vez um deus maneiro, que era tão maneiro que o nome dele era Deus mesmo. E ele sempre existiu. Tipo, ele não nasceu nem foi criado nem nada parecido, ele sempre esteve ali, de bobeira, no meio do nada. Depois de muito tempo (que não existia naquela época, então pode ter sido muito tempo ou um instante), nosso amigo Deus, ficou entediado de não fazer nada e resolveu fazer alguma coisa. Como antes não existia nada, ele teve que criar algo a ser feito. Ah, e ele tinha poderes também, todos eles (os poderes), então ele podia fazer o que quiser. Continuando... Ele tava de bobeira e pensou "Pô, to de bobeira, to fazendo nada, acho que é uma boa idéia criar o universo". E Deus criou o Universo. Mais ou menos, né? Não dá pra ele criar um negócio cheio de estrelas, planetas, buracos negros, e essas coisas, sem antes ele decidir o que eram estrelas, planetas, buracos negros e essas coisas. Mas vamos pular a parte burocrática. Ele criou o universo. Depois de um tempo (vamos colocar que ele criou o tempo junto com o Universo) ele percebeu uma coisa que é até meio óbvia, o Universo é chato pra caralho também. O que ele podia fazer agora? Deus, então, escolheu um dos milhões de planetas que tinha feito e decidiu que ia dar uma enfeitada nele, quem sabe ele num fazia o mesmo com os outros planetas depois que terminasse com esse, já que com o tempo passando agora as coisas ficaram mais entediantes ainda, porque o tempo simplesmente não passava. Pegou um planeta, até então uma grande massa amorfa de magma, que girava em torno de uma estrela e começou a dar uma retocada. Pôs uma água aqui, umas plantinhas aqui, uns elementos químicos, uns animais na água, uns fósseis de dinossauros, umas montanhas, uns animais na terra, uns desertos, uns iglus, umas cachoeiras, uns animais voando... Mas foda que o tempo continuava demorando a passar. Pra você ter uma idéia, isso tudo que eu to te contando aqui foi menos de uma semana! Pois é, tudo continuava chato pra caralho. Foi quando Deus, nosso intrépido personagem, teve uma idéia. Pegou um pouco de barro e fez um mini-me dele mesmo, que pelo menos ele teria alguém pra conversar. O mini-me ganhou o nome de Homem. No começo foi tudo de boa, conversaram demais, o Homem puxava assunto sempre, se divertia na floresta encantada, comia os frutos e tals, só que em pouco tempo acabou o assunto, culpa principalmente de Deus que não era muito acostumado a conversar, afinal, ele passou uma semana (sem contar a época que nem se contava o tempo) sem conversar com ninguém, ele nem tinha muita prática. Pra resolver isso, o Homem sugeriu que Deus fizesse um outro mini-me, dessa vez melhorado, pra fazer companhia pra ele. Deus foi lá e fez, já que ele se contentava só em ficar observando os dois, nem curtia muita interação não. Pegou uma costela do Homem e fez uma versão melhorada dele, o qual chamou de Mulher. Aquele esquema, no começo foi divertido ficar observando os dois conversando, se pegando, andando por aí e tals, mas como todo o resto, chega numa hora que você num aguenta mais. É como pagar payperview de BigBrother e assistir o dia inteiro só porque tá pagando, a diferença é que Deus não tinha a opção de mudar de canal. Então, o que Deus fez? Colocou uma árvore no meio do Éden (que é onde eles estavam morando) e falou que eles podiam comer tudo no mundo, menos o fruto daquela árvore lá, se comessem iam ser expulsos do paraíso. Só pra mexer nos desejos dos dois, Homem e Mulher. O que Deus não esperava é que os dois nem ligaram pra tal da árvore. Eles precisavam de um incentivo a mais. Assim Deus colocou uma cobra pra tentar convencer os dois a comer o tal do fruto. E a cobra ficava lá enchendo o saco dos dois, que tinham que comer o fruto, que era o melhor daquele jardinzão e tals, toda hora falando no ouvido dos dois. Um dia que o Homem saiu pra dar uma volta e deixou a Mulher com a cobra lá, a mulher (que devia estar de TPM) grilou e falou: "PUTA QUE PARIU, COBRA ESCROTA, EU COMO A PORRA DA MAÇÃ, COBRA FILHA DA PUTA." Foi lá e deu uma mordida na maçã, só pra cobra calar a boca. A cobra ficou com um sorrisão, sua missão estava cumprida. Enquanto isso do outro lado do Éden, Deus surge pro Homem e tem o seguinte diálogo:

Deus: - Velho.
Homem: - Fala, Deus! Tá sumido! Num apareceu desde que colocou a Árvora Proibida no jardim
Deus: - A casa caiu. A mulher comeu o fruto.
Homem: - Pô, que foda, hein. Mas, eaí, patrão? Tem nada que a gente pode fazer não? (se existisse dinheiro e bolsos na época, o Homem estaria escorregando uma nota de 50 no bolso de Deus)
Deus: - Podemos fazer nada não, regras são regras. Vocês vão ter que ir embora. (Deus dava risadinhas internas por dentro, era a primeira vez que algo tão empolgante acontecia desde que o tempo não era tempo ainda)
Homem: - Pô, fazer o que, né? Tamo indo embora então.
Deus: - Não se preocupe. Tem outros de vocês pelo mundo, procurem eles.
Homem: - Vamos, sim. Brigadão por tudo ae, Deus. Desculpa os vacilos.
Deus: - Quê isso, cara. Você sabe que é parte culpa minha também, né.
Homem: - Brigadão, aí. Vou sentir sua falta.
Deus: - Vai logo, antes que eu comece a chorar aqui.
Homem: - Abraço, cara.
Deus: - Abraço.

E enquanto o Homem se encontrava com a Mulher para juntos irem embora do Jardim do Éden, Deus percebia que não tinha nenhum amigo além daquela cobra maldita.

Leia também as outras partes desse belo conjunto de parábolas:
Parte 2 Parte 3 Parte 4

domingo, 5 de abril de 2009

O Melhor Carnaval do Mundo



O texto a seguir foi feito para a minha estréia em um novo blog que comecei com mais dois amigos. Prometo não abandonar esse blog, postando aqui tudo que eu postar lá, não acontecendo o mesmo ao contrário, muita coisa será postada aqui ainda e não será postada lá. Dêem uma olhada nos outros textos lá presentes, comentem, dêem suas opiniões. o blog se chama Risos e vocês podem entrar nele clicando aqui. Espero que vocês gostem. Fiquem agora com "O Melhor Carnaval do Mundo".

Eu não gosto de carnaval, isso é um fato. Não me agrada esse clima de descontração e folia, poucos dias durante o ano para desestressar do resto do ano. Obviamente me agrada muito o feriado prolongado, mas nisso o carnaval não difere muito de qualquer outro feriado que caia numa quinta feira. Por consequência, eu nunca iria pra Bahia, já que me disseram que na Bahia é sempre carnaval, e pior! É carnaval sem a parte boa, o feriado, só tem o clima de alegria e descontração o ano inteiro, eu não suportaria. Me disseram também que na Bahia as pessoas pagam mais de mil reais para ir em um show do Chiclete com Banana durante o carnaval. E aquele papo de que as pessoas na Bahia são pobres? Mentira! A não ser que o cara trabalhe o ano inteiro pra pagar o carnaval, porque eu não tenho milzinho nem pra comprar um videogame vou ter pra ir em show de Chiclete com Banana? Sem contar que o mesmo show aqui em Goiânia deve ser uns sessenta reais, tudo bem que não tem os candangos sem camisa (nada contra vocês, adoráveis leitores de Brasília, abração pra galera de Taguatinga, Guará e Candangolópolis) tentando estuprar sua amiga e bater no seu amigo enquanto passam o suvaco suado na sua cara pra não derramar o copo de cerveja, mas isso não desvaloriza tanto o show assim, desvaloriza? Tudo bem que como lá é carnaval o ano inteiro, quando é carnaval tem que ser o Melhor Carnaval do Mundo, mas isso não justifica, porque se você perguntar pra qualquer pessoa que estiver passando o carnaval em qualquer lugar, essa pessoa vai dizer que lá é o Melhor Carnaval do Mundo. Sério mesmo, pergunta pra alguém que estiver no meio do show do Calcinha Preta em Benjamim Constant na Amazônia se lá não é o Melhor Carnaval do Mundo e ele vai te dizer que com certeza é! E ele nem deve ter pagado nada pra ir no show que foi bancado pela prefeitura para que o barulho espantasse os índios e macacos da cidade. (nada contra vocês, adoráveis leitores de Benjamim Constant, abração pra galera de... Benjamim Constant). O interessante é que com os mil reais pagos pra ver o show do Chiclete com Banana em Salvador, daria pra você ir pra Benjamim Constant, ver o show do Calcinha Preta, dar uma volta de balsa e voltar pra Salvador pra... sei lá o que se faz em Salvador quando não é carnaval. Ou melhor ainda, você pode comprar um videogame e ficar em casa com sua namorada, o que é a melhor opção pra mim. Até porque eu não acredito que alguém vá nessas micaretas porque gosta do Asa de Águia. Alguém realmente gosta de axé? Tipo, coloca no ipod e ouve enquanto tá no ônibus? Ou paga mil reais pra ficar no meio de um monte de gente suada pulando enquanto pega mulheres feias? Eu, sinceramente, tenho minhas dúvidas.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº15 : eu não como nada de pêssego, nem nada feito de pêssego. não que eu não goste, meu problema é gostar demais. pêssego é o cheiro da minha infância, porque quando era pequeno eu usava um shampoo da L'oreal Kids em forma de peixinho que tinha gosto de pêssego, então a única coisa que eu aceito com cheiro de pêssego é meu shampoo (que por acaso nunca mais usei). semana passada, me deparei com um sabonete em meu banheiro com cheiro de pêssego. foi um dos momentos mais estranhos da minha vida. pêssego não é o sabonete, é o shampoo. o shampoo. SÓ O SHAMPOO. SHAM-AM-POO-OO.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

RundFunkCast: Piloto

Meu, tu num sabe o que aconteceu? Os cara do Charlie Brown invadiram a cidade! Ok, ok, não foi isso que aconteceu. O que aconteceu foi que temos nosso primeiro Podcast! Na verdade, o que temos é uma hora ininterrupta de uma conversa minha com o Pedro, autor do blog Papo de Jaca, que, teoricamente, é um Piloto do que pode ser um Podcast chamado RundFunkCast. Essa versão que há muito é esperado e que foi adiada por um tempo enquanto eu tentava convencer meu intrépido companheiro radiofônico que falar "Cocô" e "Xixi" para que todos possam ouvir não é uma coisa tão ruim assim. Eu não recomendo esse podcast para pessoas com ouvidos sensíveis nem a pessoas que possuem mais do que fazer na vida. Apesar de tudo, é bem engraçado. Eu ri horrores, pelo menos.

Assuntos Abordados: sites pornôs, anões (eba! anões!), negão do "À espera de um milagre", futuros fiascos cinematográficos, masturbação ao seu lado, cavaleiros do zodíaco, arnold shwasfasdngasdnegar e como se ganha dinheiro pela internet (mentira, ninguém faz isso realmente).




segunda-feira, 30 de março de 2009

Pequena Cidade, Grandes Desastres.

Acho incrível a quantidade de coisa bizarra que acontece aqui em Goiânia. Para uma cidade de pouco mais de um milhão de habitantes, acho que a gente aparece demais no Jornal Nacional. Sério, eu não lembro quando foi a última vez que eu ouvi falar de uma coisa bizarra acontecendo em Porto Alegre, por exemplo, já aqui em Goiânia sempre acontece umas coisas estranhas. Há umas duas semanas atrás, eu estava com minha namorada em um bar frequentado por universitários, perto da faculdade dela quando me chega um pessoal falando que caiu um avião no Flamboyant (maior shopping da cidade e da região do centro-oeste, segundo dizem). Eu ri, claro. Essas coisas não acontecem. Imagina cair um avião no shopping que minha mãe vai todo sábado. E pior, depois ainda vieram dizer que o cara tinha roubado o avião, tava com a filha dentro, antes tinha jogado a esposa pra fora do carro e mais antes ainda ele tinha estuprado uma menina de 13 anos. Uhum., sei. Agora que você me diz que esse cara era o filho cego do Roberto Carlos e que o avião que ele roubou era o Ed Force One, o avião do Iron Maiden. Há pouco tempo um sujeito tomou um tiro na frente da boate sertaneja. Antes teve um churrascão à la inglesa com os cumprimentos do chef Mohamed. Teve também uma mulher que maltratava uma menina, trancava ela na área de serviço e apertava a língua dela com um alicate, que por acaso morava na frente de onde eu pego o ônibus atualmente pra faculdade. Antes um pouco, teve a Dona Vilma que sequestrou o Pedrinho (que estudava no mesmo colégio que eu) e fez ele acreditar que era a mãe dele, foram pesquisar ela não só tinha pegado o menino, como ela tinha roubado todas as filhas também quando bebê, e sabe-se lá se aquele cachorro era realmente dela. E pra terminar com a enumeração de coisas bizarras, temos o "MyOwnChernobyl", onde os caras acharam um lixo radioativo, pegaram umas pedrinhas brilhantes e saíram distribuindo câncer pela cidade toda. O mais bizarro disso tudo é saber quão próximo essas coisas são. Goiânia não é uma cidade muito grande, e sempre tem um amigo de um amigo seu que conhece alguém envolvido nessas coisas. Mas você pode contra-argumentar: "Ah, em São Paulo essas coisas acontecem todo dia.", mas pô! Goiânia tem 5% da população de São Paulo. Aposto que na Índia nascem 2 pessoas com oito pernas para cada cem milhões de habitantes, e ainda assim teremos muita gente com oito pernas, mas eu estou falando de lugares pequenos! Analisando a situação de maneira mais ampla, podemos dizer que talvez essas coisas bizarras sejam todas frutos da primeira coisa bizarra que aconteceu por aqui, que foi o acidente com o césio. Muito enganado você está pensando que aquilo só trouxe câncer e morte aos goianienses, aquele acidente causou severas cicatrizes na mente das pessoas. Elas pensam que como já comeram omelete de césio, tem a desculpa para fazerem o que quiserem. Não é bem assim que funciona não. Mesmo você tendo um leve resquício de césio no seu sangue que faça com que sua pele brilhe levemente no escuro, isso não é desculpa pra sair por aí roubando avião e jogando em shopping não. Porra, minha mãe poderia estar lá, cara!

sábado, 21 de março de 2009

Analisando: ESPECIAL.

Apresento a vocês um "Analisando" Especial. Aí você me pergunta: "Especial por quê"? Especial porque foi minha namorada que sugeriu, especial porque eu fiz um amigo recentemente que realmente gosta disso (e que recentemente eu descobri ser uma celebridade do YouTube) e especial porque eu uso, acho que pela primeira vez, aquela boa e velha regra de usar letras maiúsculas depois de pontos finais. Espero que vocês se divirtam proporcionalmente à vergonha alheia que senti realizando este texto

Com vocês:

ANALISANDO: Jorge Vercilo - Homem-Aranha (Letra e Clipe)





Umas liguinhas, um ninja subindo uma corda, ou descendo e o Jorge Vercilo brincando de elástico, se perdendo e parando de brincar. Deve ter passado a tarde inteira nisso. Se cansa, e vai ver uns rascunhos de quadrinho. Detalhe que passa um trabalhador civil ali subindo um andaime. Desce um ninja, sobe um trabalhador civil. Tá massa até agora. Opa! Um limpador de vidros, e temos o Jorge Vercilo na escada numa pose estranha e começa a cantar. Ele gosta de andar no abismo numa noite VIRIL (WTF?!?!?) saltando entre os edifícios (dá um pulinho pra beirada da sala), será que o limpador de vidros não tá vendo o ninja do lado dele? Eu teria me cagado todo se eu tivesse lá de boa limpando vidro e surgisse um ninja. Sério mesmo. Uma mini animação do esboço do homem-aranha-fake, e o Jorge vercilo viu você em poder de um fugitivo. O Jorge escalando uma parede com a bundinha arrebitada, onde a gravidade certamente não concorda e continua puxando a camiseta dele pra baixo. A câmera vira e ops! Estamos em um set de filmagem, era tudo mentira e temos dois ninjas descansando na beirada da janela. Claquete e outro ninja. Enquanto isso ele te fala que o tal do fugitivo te fez refém nos precipícios (WTF?!?!?!) e que ele se apaixonou a primeira vista. Ele se jogou de onde o céu arranha (e faz um movimento cat woman pra demonstrar que o céu estava sendo arranhado), teias e CINCO NINJAS! Ele te salvou com a teia dele e se apresentou como o Homem-Aranha, "Seu herói", *jogadinhadepescoçoecarinhadesafada*. Agora a parte que ele fala como o herói tem uma vida como de qualquer outro, fazendo compras, arrumando a antena, cuidando do bebê, fazendo uma dancinha que não é maneira de modo algum. Mais ninjas, inclusive usando o andaime do trabalhador civil, o que me faz refletir se ele realmente era um trabalhador civil ou apenas mais um ninja disfarçado. Nunca se sabe o que se esperar de um ninja. Jorge vercilo fazendo um movimento com as mãos como se ninar bebê fosse a coisa mais prazerosa que alguém pode fazer na vida. Agora uma das partes mais constrangedoras. Jorge vercilo na beirada do prédio em pose de homem-aranha, reclamando que tá cansado de deter crime e que ele tem uma idéia melhor, você na teia dele. Por algum motivo ele cita Brasília nisso tudo, avulso. Vemos ele correndo em um beco e abrindo seu sobretudo pra mostrar a camiseta de teia aranha que ele comprou na C&A quando saiu o primeiro filme. Jorginho no meio dumas cordas brancas, falando que está nas suas mão nessa ingênua sedução e que tá preso na sua teia. a cara de "TÔ QUEREEEEEENDO" me faz pensar se ele tá cantando pra Mary Jane ou pro Harry Osborn. Sons indescritíveis pela boca com braços abertos e ele começa a cantar tudo de novo. (pausa dramática) ele brincando de elástico. ele brincando na construção como se fosse aqueles playgrounds. limpador de vidros (deve ser um ninja disfarçado também) e um ninja. ninjas por todos os lados agora. Jorge vercilo faz uma coreografia do tipo "eu fugindo de balas". AHÁ! canto direito vemos o trabalhador civil que agora já sabemos que é um ninja. Jorge vercilo dá uma corrida constrangedora e pula. ninjas, e o Jorge vercilo cai. claquete. Jorge nas teias em mais uma pose constrangedora. falando em poses constrangedoras, temos de novo ele agachado na beirada do prédio usando uma FUCKING BOINA. puta que me pariu. caras e bocas. e OLHEM PRA ELE AJEITANDO A ANTENA DA TV. por que ele faz essa cara de ternura quando está falando de acordar pra ninar bebê? ninguém gosta de acordar de madrugada por causa de bebê. Jorge vercilo entra no beco agora com umas compras e é cercado por uns ninjas. que só querem dar uma olhada mesmo. por algum motivo o último ninja volta pra dar uma conferida, provavelmente um daqueles negócios de "caralho, conheço esse cara de algum lugar. puta que pariu, é o Jorge vercilo". ele realmente precisa ficar fazendo essa cara de safadeeenho e essa jogada de ombros? IRULIULIURULIURU. esboços de animação e ele numa guitarra, visivelmente não é ele que faz os solos da musica. sério, tá ficando chata essa dancinha, vergonha alheia. não dá, se ele fazer essa cara de bicha dando chilique de novo eu paro de ver o clipe aqui. não, cara, não faz isso com as mãos, sério mesmo. beco de novo, um ninja e olha só! o ninja era o próprio Jorge vercilo! ou um irmão gêmeo. isso explicaria o porque dele ter olhado pra conferir quando SE viu na rua, afinal, ninguém ia parar pra ver o Jorge vercilo, né, gente?


então, amigos, o que entendemos? na verdade, esse clipe foi umas das coisas mais constrangedoras que eu já vi na minha vida. o Jorge vercilo mora numa construção que é cercada por ninjas. os pedreiros ignoram o fato de ter alguém morando lá e ter ninjas e continuam seu trabalho. o Jorge vercilo precisa atravessar um beco muito perigoso pra voltar pra casa das compras, já que existem ninjas na cidade toda, num vibe meio Konoha do Naruto e... (silêncio constrangedor). Vamos a letra! segundo a letra nós temos o homem-aranha que anda por aí em noites VIRIS. um dia ele vê alguém que tá sendo mantido refém por um fugitivo da polícia, o homem aranha salva a pessoa e meio que dá em cima dela usando umas cantadas porcas do tipo "eu tô na sua teia" (entendeu? ele é o homem aranha, teia, risos.). sério, vergonha alheia. MUITA.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Pizza de Frango Com Catupiry

quando eu era pequeno eu meio que tinha essa grande fixação por pizzas de frango com catupiry. acho que fui induzido a isso, vendo que hoje minha mãe só come esse sabor de pizza. lembro de ir na mister pizza do flamboyant (aquele shopping que caiu um avião) e pedir umas pizzas tamanho família ou apenas umas fatias individuais enorme para o meu tamanho, e nunca exitava, era sempre pizza de frango com catupiry. e assim se manteve até que eu virei um adolescente esfomeado que parei de escolher o sabor da pizza e comia o que tinha, o que, como uma consequência disso, me tornei um jovem que aprecia vários sabores de pizza, entre eles, claro, pizzas de frango com catupiry. o problema é que ultimamente eu tenho me decepcionado muito com essa pizza de frango com catupiry. nenhuma que como parece ser boa o suficiente, não tenho certeza se é culpa das pizzarias que frequento ou se é apenas uma daquelas coisas que "não são tão boas quanto eram na nossa infância". sabe aquela sensação que as coisas perderam a qualidade? tipo casseta & planeta? aquilo que você jura que era bom quando você era mais novo e hoje em dia você olha e vê que é uma porcaria? aí a gente nunca temos certeza se sempre foi uma porcaria e a gente era inocente demais pra perceber ou se realmente perdeu qualidade. lógico que isso se aplica ao casseta e planeta, não a pizza, mas acho que vocês entendem do que eu estou falando. então, já tem alguns meses que eu venho reparando nisso, toda vez que eu como uma pizza dessas eu fico com a sensação de que ainda não é o que eu estou procurando. estou "em busca da pizza perfeita", mas não tenho certeza se essa pizza existe realmente ou se é apenas uma coisa idealizada por mim. vai chegar em um momento que eu vou ter que admitir minha derrota e aceitar que talvez a pizza que eu passei minha infância inteira comendo não era tão boa quanto eu imaginava, ou talvez eu encontrarei a tal pizza de frango com catupiry perfeita e poderei continuar comendo de todos os sabores com a consciência de que quando eu precisar de uma pizza de frango com catupiry para me confortar em um dia frio, ela estará lá e tudo que eu preciso fazer é uma ligação que ela vem até mim.

terça-feira, 10 de março de 2009

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº14: eu acho que todo poeta deve ser um homem duplo, porque você não pode viver poeta 24 horas por dia. de dia, um homem comum, de noite um poeta em casa. as pessoas que vivem poesia são invariavelmente chatas e pedantes. pelo menos as que eu conheci. a vida não é tão lírica. sério mesmo. e sendo um homem duplo, você não deve confiar neles. eu, pelo menos, não confio em ninguém que escreva poesias.

sábado, 7 de março de 2009

Menina dos Olhos (Vermelhos)

por que ela está tão risonha
e me olha tão distraída?
será que é o cheiro de maconha
ou seu bafo de bebida?

não me importo que ela grite
ou que aja como louca
mas muito me incomoda
quando vomita em minha roupa

e na hora de ir embora
lá está ela caída
perdeu sua dignidade
mas viveu a sua vida

quarta-feira, 4 de março de 2009

Publicitários x Jornalistas Designers

tem um amigo meu que faz design gráfico há um ano e, desde que ele entrou no curso, ele me fala que existe uma rixa entre designers e publicitários, e que ninguém é amigo de ninguém. durante esse ano em que convivi com muitos designers e publicitários (enquanto eu, um outsider, fazia matemática), eu presenciei várias demonstrações de ódio e desprezo em relação a essa rixa. hoje conversando com esse meu amigo, eu me toquei de uma coisa: as provocações só vinham do lado dos designers. muitas vezes eu ouvi veteranos desse meu amigo, ou até calouros como ele, desprezando, desqualificando ou até descomungando publicitários. e o que eu percebi hoje foi que eu nunca ouvi nenhum publicitário falando mal de designers, se quer falando de designers. quando eu falo em "rixas" eu imagino dois lados se confrontando, porém, se um lado simplesmente não nota a existência do outro, não existe rixa. hoje eu percebi que essa disputa só existe na cabeça de designers. eu, como estudante de publicidade (e na época, futuro estudante de publicidade) ouvi muitas atrocidades, ofensas gratuitos e até (acreditem se quiser) esnobadas de designers. mas o que fazer quando você esnoba algo que nem sabe que você está lá? comparo essa situação com gordinhos nerds falando mal dos bonitões e populares da escola enquanto jogam HALO 3 no porão da casa da vó. é um ódio motivado exclusivamente pelo fato que um lado está pegando as meninas da escola (os publicitários) e o outro lado estão organizando guildas no WOW (os designers). um lado se incomoda, e o outro nem percebe que existe algo a se incomodar. se pelo menos eu ter conseguido mostrar pra esse meu amigo que não existe rixa nenhuma, eu já ganhei meu dia.

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº 13: eu não consigo escrever sobre felicidade. consigo escrever sobre a falta dela, mas sobre ela não consigo. hoje mesmo tentei escrever um poema, uma narração e duas reflexões, mas nada de eu conseguir terminar os textos. todos foram apagados no momento em que eu não conseguia continuar. e é estranho porque eu me sinto feliz (existem merdas grandes acontecendo, mas, no geral, estou feliz). deve ser um bloqueio, ou talvez seja por eu saber que ninguém nunca identificou-se com a felicidade do outro, ou seja só um bloqueio mesmo. sei lá. quando eu conseguir vocês vão ficar sabendo.

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Publicitários, Charlie Brown Jrs, Traições de Movimento e Los Hermanos.

Publicitários são os grandes responsáveis por grandes merdas da humanidade. eu, como futuro publicitário, tenho consciência disso. vamos a um exemplo cotidiano que todos conhecemos: o Charlie Brown Jr. Era uma vez uma banda com nome de personagem do snoopy, ou do filho desse personagem, e era uma banda maneira, skater boys maderfâquers, escritório é na praia, to sempra na área, mas eu não sou daquela laia não, deixe viver, deixe ficar, deixe estar como estar. os caras tinham um monte de fãs maneiros, galera lekão de santos, galera playbas e skater de todo o brasil. um dia chegou um publicitário e falou "nó, vocês são maneiros, tô com uma idéia massa aqui duma propaganda que vai atrair toda a garotada, tipo, vamos fazer uma promoção maneira e dar umas garrafinhas de plástico". o Chorão pensou "nó, maneiro." e aceitou na hora. um belo dia tava lá aquele maloqueiro que escutava Charlie Brown vendo tv e passou uma propaganda da coca-cola e, adivinhe que estava lá? isso mesmo, o Charlie Brown (não o do snoopy). na hora veio aquela desilusão: "poooorra! Charlie Brown se vendeu, fazendo propaganda pra coca-cola, já era, não é mais o mesmo, traiu o movimento fudido, caralho, como eu curtia mais Charlie Brown antes de eles se venderem... po, só os primeiros cds que prestavam." e lá se foi a imagem de maneiros dos caras. pessoa queimavam cds em praças públicas, postavam posts irados (de "ira", não de "maneiro") sobre como eles se venderam, atiravam pedras nos integrantes, sequestraram a vó de um deles, aposentaram aquela camiseta do Charlie Brown que eles compraram na feira, foi um reboliço. mas foi só quando as vendas de cd abaixaram consideravelmente (fato ligado aos downloads ilegais e não a fãs revoltados, pois estes ainda continuavam comprando os cds) que eles começaram a se preocupar. consternados, foram consultar o publicitário que tinha dado a idéia genial de gravar a propaganda da coca-cola para perguntar o que eles poderiam fazer pra voltar a ser maneiros, e a resposta era bem clara para aquele publicitário, como é clara para todos nós publicitários: gravem um acústico MTV. e assim fizeram. pegaram aquelas músicas que fizeram sucesso antes do "erro das garrafinhas" e regravaram elas ao vivo só com violão e pans, tudo desplugado. foi um fracasso. os fãs continuaram gostando, criaram outros fãs, mas quanto a "maneirice", nada. eles nunca conseguiriam tê-la de volta. durante a turnê desse disco, chorando em seu quarto de hotel, Chorão tem uma epifania: para ele ser maneiro de novo, ele tinha que fazer uma coisa extremamente maneira. como ele não é conhecido pela sua genialidade, ele foi consultar o publicitário para ver qual era a coisa mais maneira que ele poderia fazer na vida, e a resposta era bem clara para aquele publicitário, como é clara para todos nós publicitários: soquem os Los Hermanos (banda mais chata da época e provavelmente uma da 15 mais chatas de todos os tempos). Chorão pensou "já é, vou socar os Los Hermanos, todo mundo vai voltar a gostar de mim e a gente vai ser maneiro de novo.". infelizmente as coisas não funcionaram tão bem como nós e os Charlie Browns gostaríamos. como charlies browns e Los Hermanos nunca dividiriam o mesmo programa de tv, quiçá o mesmo palco, nosso intrépido amigo Chorão teve que se contentar com o acaso, que não demorou a agir. em poucos dias Los hermanos e Charlie Brown Jr. dividiam o mesmo avião. segue transcrição do diálogo:



o problema foi que o feitiço virou contra o feiticeiro. Chorão não esperava que o Los Hermanos tivessem tantos fãs e que a mídia fosse descomungar eles só porque bateram nos Los Hermanos. e aquele maloqueiro que escutava Charlie Brown Jr. pensou "porra, os caras além de traírem o movimento, ainda vêm e batem nos maneiros dos Los Hermanos, esses caras são uns merdas mesmo" e aí que tudo se complicou. champion não aguentou a pressão e montou uma banda com o júnior (não o Charlie Brown, aquele irmão da sandy). os outros integrantes foram saindo um por um até que Chorão se deparou sozinho com um monte de desconhecidos tocando com ele, e repetindo a mesmo fórmula. e, assim, o Charlie Brown Jr. caiu em ostracismo. como nem tudos são flores na vida dos Los Hermanos, marcelo camelo, a vítima da tentativa desesperada de renascimento de Chorão, se envolve anos depois com Mallu Magalhães, que eu tenho certeza que é retardada a vista da lei, e mostra que mereceu ter levado aquele soco. talvez não naquela ocasião, mas ainda assim.


ps. Gostaria de deixar bem claro que eu não escuto, nunca escutei e nem apoio a escutação ou escutamento de Charlie Brown Jr.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Analisando: Shaggy - It Wasn't Me (Clipe)





No começo temos Rik Rok chegando numa casa e dando um aceno pra alguém. Ele bate na porta e descobrimos que a casa é a casa do Shaggy. Fala com ele que se fudeu, que a namorada pegou ele com a vizinha e o Shaggy fala naquela tranquilidade que tá de boa e é só falar que num era ele que estava lá. Agora vemos o Rik Rok na sala de estar do Shaggy explicando a história, o Shaggy olhando pra ele com uma cara de "Esses jovens...". Atenção para as putinhas em volta dançando na sala. Nisso a cena muda e mostra a namorada do Rik Rok num conversível com um aparelho que mostra o Rik Rok dando umazinha com a vizinha (no final dos anos 90 já tinhamos essas tecnologias?). Temos o Shaggy dando uma bufada (tipo um boi, provavelmente pensando como a juventude de hoje em dia faz merda) e a cena vai pro quarto do Rik Rok com ele dando uns amassos na vizinha do lado de uma foto da namorada. (no fundo musical ele se pergunta como esqueceu que tinha dado uma chave extra de casa pra namorada), Mais putinhas, mais namorada grilada. Corta para o Shaggy no seu headquarter, com mais putinhas, muita tecnologia e seu bom e velho sotaque jamaicano dando um sermão no Rik Rok: "Como que ele pode deixar ela invadir sua casa desse jeito? É melhor tomar cuidado antes que ela vire uma assassina.". O sermão acompanhado de varias putinhas, claro. Vale ressaltar também que o Shaggy está usando um terno ROXO. Ternos roxos não são pra qualquer um, só o coringa e o Shaggy que podem usar um desses. Mais sermão, mais putinhas. "Porra, Rik Rok, pra ser um jogador tem que saber jogar. Se ela disser que você é legar, convença ela que você é gay." Mostra uns amigos rappers jogando um poker esperto com umas putinhas do lado e o Shaggy com mais putinhas ainda. Agora mais Rik Rok com a vizinha enquanto tenta falar que o argumento do Shaggy não vai dar certo: "Ela me pegou no balcão, no sofá, no chuveiro e até me filmou. Viu as marcas no meu ombro, ouviu os gritos", Mostrando ele pegando a vizinha em todos os lugars e o Shaggy insistindo que era só negar que era você. Do nada surgem duas motoqueiras e param do lado do conversivel da namorada do Rik Rok, e vemos Shaggy usando sua tecnologia Powered by: Google Earth® para ver o que estava acontecendo e mandar uma sms (acho que na época ainda era um bip) pro Rik Rok vazar correndo que as Destiny's Child estão indo lá pegar ele. As Josie and the Pussycats abrem a porta e vêem apenas a vizinha sozinha na cama. Shaggy no alto da sua experiência avisa que a situação é tranquila de se resolver, que mulher acredita em qualquer coisa, que ela nem vai mais se lembrar depois que dormir, mas se ela pegar uma arma é melhor ele dar o fora (falando isso com as várias putinhas do lado dele). Corta para o Rik Rok saindo pelos fundos e pegando a moto de uma das meninas para dar o fora. A menina que teve a moto roubada dá um chiliquinho e vai de conversível mesmo (ah, se eu tivesse esse tipo de opção) e lá vai as SNZ (uma na moto e duas no conversivel) atrás do nosso Rik Rok malandrão que tá fugindo pela cidade e dá até uma empinadinha na moto pra msotrar que ele é doido e num tá nem aí pra nada. Vemos uma das putinhas do Shaggy no headquarter com um mapa observando uma versão com pontinhos e linhas da perseguição e o Shaggy assistindo em sua tecnologia via satélite Powered by: Google Earth®. o Rik Rok para (sem o acento diferencial, seguindo as novas regras da Língua Portuguesa) e é cercado pelas Cheetah Girls. Shaggy sacando a situação manda um sms pra uma de suas putinhas da estrada e passa a localização do Rik Rok. Rik Rok cercado recebe outra sms do Shaggy falando pra ele olhar pra trás e ele vê o caminhão da putinha do Shaggy. Rik Rok vai pra ponte, faz um charminho de que vai pular, as três perseguidoras vão correr pra impedir ele, Shaggy observando dá uma trancada quando ele pula e comemora quando vê que As Panteras não conseguiram pegar o amigo dele. Longe dali, já se sentindo seguro, o Rik Rok pula pra fora do caminhão e volta seguro pra casa. E é aqui que descubrimos que aquela casa onde ele chegou no começo do clipe é a dele, e não a do Shaggy e foi, tipo, tudo um flash back. Corta pro Shaggy com a sensação de dever cumprido.


Vamos as considerações: Primeiramente vemos que o Shaggy já era um cafetão antes do 50 Cent levar seu primeiro tiro, e que possuia acesso a uma tecnologia que só iam liberar pras pessoas normais anos depois. Outra coisa que podemos perceber é que o Shaggy é meio que um pai da galerinha do R&B, já que quando o Rik Rok faz merda ele vai correndo pra casa do Shaggy pedir uns conselhos sobre o que fazer e como se comportar diante da situação em que se meteu. É bom salientar também que o Rik Rok é pegador, não no estilo cafetão do Shaggy, mas no estilo "Pegou você, sua amiga e a amiga da sua amiga, se der bobeira pego a vizinha também", porque com certeza ele já aquelas duas motoqueiras griladas, afinal, elas tem (também sem o acento diferencial, seguindo as novas regras da Língua Portuguesa) que estar griladas por um motivo. O que aprendemos com o Tio Shaggy, meninos? Que se um dia sua namorada te pegar com a vizinha, é só negar que era você que tá tudo bem. Só porque ela tem vídeos seu e da vizinha transando gravados, isso não quer dizer que era você que estava lá.