quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Ausência.

Hoje de manhã, sua ausência não foi notada.
No espaço vazio da cama tinha uma almofada.
Nos minutos de acordar, uma planta foi regada.
Não tropecei nas suas roupas espalhadas.
Na mesa do café, não sobrou outra torrada.
A luz do Sol entrou por onde a toalha era pendurada.
Eu mesmo dei um novo nó na minha gravata.
Lembrei de conferir se a janela tá fechada.
A cópia que eu te dei, a fechadura foi trocada.
O porteiro não estranhou quando saí pela escada.
Elogiou minha postura e minha barba penteada.
Na caixa de correios, nenhuma carta endereçada.
O cinto do meu carro não deixa mais você marcada.
Nem desvio meu caminho pra deixar você em casa.
Ou espero sua resposta das mensagens visualizadas.
Não combino o almoço: saladinha ou feijoada?
Depois do trampo não me liga pra dizer que está atrasada
Alguém da faculdade te passou a sala errada.
Que o estágio não engrena, esse semestre está ferrada.
Que só queria estar dormindo ou vendo tv de madrugada.
Chego em casa, no fim do dia, esqueci a luz ligada.
A louça se acumula, a geladeira está estragada.
O chuveiro não esquenta, nenhuma roupa está passada.
O peso no meu corpo atinge uma tonelada.
A vontade de continuar se perde em meio a jornada.
Deito só mais uma vez, com a cara já molhada.
Torcendo que amanhã, a ausência não seja notada.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Desconforto.

O desconforto e a sensação de não-pertencimento se tornaram coisas tão presentes na minha convivência social que eu simplesmente passei a ignorar, como tantas outras coisas na minha vida que me incomodavam. Reencontrar esses sentimentos e perceber o quanto eles influenciaram momentos cruciais nos últimos anos tem sido bem doloroso. Entender que muito do que eu passei foi gerado direta ou indiretamente por causa desses dois sentimentos. A forma como eu lidei com decisões importantes, positivo ou negativamente, vinha diretamente do fato de eu estar em um momento que não faço parte. Além do individualismo natural do ponto de vista de cada um, existe um padrão externo que eu simplesmente não me encaixo. Lidar com essa diferença é minha principal dificuldade em ambientes sociais. Entender que as pessoas não enxergam o mundo da mesma maneira que eu, não interpretam as coisas do mesmo jeito, e por isso, obviamente, não reagem da mesma maneira. Ao observar os padrões, e conseguir prever com uma alta taxa de acerto os próximos passos da maioria das pessoas, o movimento começa a ficar chato. Esperar estar errado sobre algo e se decepcionar de novo e de novo. Ficar se perguntando como que todos em volta não enxergam o óbvio sobre os outros e sobre si mesmos, gerando desastres pessoais em suas vidas. Mas ém um pouco até da falta de fé existente na certeza da decepção. As pessoas não são tão rasas quanto parecem, mas na maioria das vezes elas agem como se fossem, então não importa muito os dilemas que levam elas a tomar as decisões óbvias, se as decisões continuam sendo óbvias. No meio disso tudo, eu. Como se decifrasse um código universal, cartesiano, de leitura de pessoas, inevitavelmente não fazendo parte. Não por agir diferente do esperado, mas por simplesmente não conseguir ser lido como leio. Isso gerando grande parte do meu sofrimento individual e social, as disputas, os desentendimentos. Cada semana uma nova camada se expõe, mas são sempre variações dos mesmos problemas que eu simplesmente não consigo resolver. Quanto mais me esforço, mais frustrado fico. Porque eu mesmo também não consigo me ler, acessar o que está escondido. Não é uma barreira pros outros, é uma armadilha pra mim. Me protegendo de pensamentos negativos e sentimentos nocivos, e por isso sendo menos completo. A batalha continua.

Then ask me what it's like to have myself so figured out. I wish I knew.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Expectativa.

Expectativas de forma geral foram feitas para serem quebradas. Depositar em outro ser humano o mínimo de esperança de que algo positivo possa acontecer é o caminho certo para a decepção. Ao mesmo tempo, a completa falta de expectativa é impossível, a não ser em casos onde um realmente não nutre ao outro o mínimo de respeito. Mas a palavra carrega um peso de responsabilidade em si. Porque a expectativa se mal gerida, vem acompanhada de cobranças ao outro, e o que era um sentimento se torna um problema quando externalizada. Do lado oposto, também existe um problema de que dificilmente alguém disposto a suprir as expectativas de um parceiro, por exemplo, poderá adivinhá-las caso elas não sejam externalizadas. E quando a expectativa inclui justamente a espontaneidade da ação, entramos em um paradoxo. Como cobrar alguém de algo que cobrá-lo já invalidaria sua ação? Pedir a todos em sua volta que preencham o vazio deixado justamente pela ausência dos que estão a sua volta? Porque existe uma linha que divide as suas vontades e necessidades da individualidade do outro, e mesmo dentro de uma relação onde alguns acordos são firmados, essa linha não pode ser ultrapassada. E entender as expectativas que você mesmo coloca sobre seus amigos, parceiros e familiares é entender justamente que a vontade deles deve sim ser absoluta em seus atos, que impôr o que você espera deles não deve ser uma opção. O diálogo deve existir, a reflexão, mesmo que como guia para o processo e decisão, mas a decisão final é sempre individual. Escolhas que devem ser respeitadas, mesmo que elas tenham consequências negativas previamente apontadas. Infelizmente o aprendizado pessoal, como o próprio nome diz, é pessoal. A maioria das pessoas só entendem a dor quando é na própria pele, e nem todos estão dispostos a abrir mão das suas vantagens pra diminuir uma desvantagem (ou em benefício) do outro. O exemplo e o diálogo podem existir mas, mais uma vez, a decisão final é sempre do outro. Escolhi viver o que eu espero dos outros, em vários níveis. Não ter medo de ir atrás, de abrir mão de algumas coisas se julgar que o benefício geral será maior do que o meu próprio. De me expôr e falar sobre o que eu penso e o que eu sinto, pra não deixar dúvidas ou lacunas. Mas como todo o resto, é uma decisão minha, sobre como eu vejo o mundo. Não é algo a ser cobrado do outro. Eu decido como eu vivo minha vida, os outros decidem como vivem a delas. O que me resta é esperar pelo melhor e diminuir as expecativas.