sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Desconforto.

O desconforto e a sensação de não-pertencimento se tornaram coisas tão presentes na minha convivência social que eu simplesmente passei a ignorar, como tantas outras coisas na minha vida que me incomodavam. Reencontrar esses sentimentos e perceber o quanto eles influenciaram momentos cruciais nos últimos anos tem sido bem doloroso. Entender que muito do que eu passei foi gerado direta ou indiretamente por causa desses dois sentimentos. A forma como eu lidei com decisões importantes, positivo ou negativamente, vinha diretamente do fato de eu estar em um momento que não faço parte. Além do individualismo natural do ponto de vista de cada um, existe um padrão externo que eu simplesmente não me encaixo. Lidar com essa diferença é minha principal dificuldade em ambientes sociais. Entender que as pessoas não enxergam o mundo da mesma maneira que eu, não interpretam as coisas do mesmo jeito, e por isso, obviamente, não reagem da mesma maneira. Ao observar os padrões, e conseguir prever com uma alta taxa de acerto os próximos passos da maioria das pessoas, o movimento começa a ficar chato. Esperar estar errado sobre algo e se decepcionar de novo e de novo. Ficar se perguntando como que todos em volta não enxergam o óbvio sobre os outros e sobre si mesmos, gerando desastres pessoais em suas vidas. Mas ém um pouco até da falta de fé existente na certeza da decepção. As pessoas não são tão rasas quanto parecem, mas na maioria das vezes elas agem como se fossem, então não importa muito os dilemas que levam elas a tomar as decisões óbvias, se as decisões continuam sendo óbvias. No meio disso tudo, eu. Como se decifrasse um código universal, cartesiano, de leitura de pessoas, inevitavelmente não fazendo parte. Não por agir diferente do esperado, mas por simplesmente não conseguir ser lido como leio. Isso gerando grande parte do meu sofrimento individual e social, as disputas, os desentendimentos. Cada semana uma nova camada se expõe, mas são sempre variações dos mesmos problemas que eu simplesmente não consigo resolver. Quanto mais me esforço, mais frustrado fico. Porque eu mesmo também não consigo me ler, acessar o que está escondido. Não é uma barreira pros outros, é uma armadilha pra mim. Me protegendo de pensamentos negativos e sentimentos nocivos, e por isso sendo menos completo. A batalha continua.

Then ask me what it's like to have myself so figured out. I wish I knew.