quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Madrugada.


3 da manhã ela acorda pela terceira noite seguida. Os carros passam em sua janela no terceiro andar. Ela estranha tanto movimento na avenida, mas prefere acender um cigarro pra espairecer. Observa lá embaixo onde um casal se despede com a melancolia de quem vai demorar muito pra voltar a se ver. A garota ensaia entrar no carro umas três vezes e sua namorada a puxa novamente em um abraço hesitante. 

O vento evita que o cheiro de fumaça se espalhe pelo apartamento pequeno no centro da cidade. 


Ela imagina outros insones ao observar janelas iluminadas, e devaneia se estudam ou dormem na frente da TV. No quarto dela só o isqueiro ilumina seu rosto, a cada dez ou quinze minutos num ritual sem fé. 


Ela se esforça pra lembrar o sonho que ela sonhava, em que caçava cervos em um chalé nas montanhas. Sonhava se um dia sairia da vida urbana, deixando tudo para trás para viver no mato. Sem regras de vestimenta, sem cobranças de prazo. Sem expectativas geradas por sorrisos e abraços. Decide que largaria enfim o cigarro, como se se livrar da poluição a desse liberdade pra respirar. 


4 da manhã o maço acaba, e com ela, seus hábitos. Escova o dente pra não acordar com gosto de cigarro. Pensa que queria sonhar agora com uma viagem de carro. Cabelo solto, som ligado. Só ela, a estrada e seu passado.