domingo, 30 de setembro de 2018

Flutuar.

Hoje eu acordei leve como não acordava há anos. Anos mesmo, esse ciclo em torno do Sol que relativamos cada vez que passamos por ele mais vezes. Pela primeira vez a preocupação com a vida e a necessidade de aprovação não pesaram tanto. As responsabilidades foram muitas delas responsavelmente abandonadas durante a semana. Os prejuízos foram abraçados como parte do processo de aprendizado. Cercar-me de pessoas que afloram o melhor de mim, e não de pessoas que exploram o melhor de mim, fez um bem extremo. E, mesmo que por apenas um dia, me permito viver completamente essa leveza. Pois não sei como vou acordar amanhã, não sei se outros pesos vão se acumular em minhas costas, ou se eu mesmo me derrubarei. 

Então, se por um dia o peso está fora de mim, eu vou aproveitar ele para flutuar.