quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Períodos.

Gosto de cigarro, taça de vinho
Entro no carro, coloco o cinto
Guiando você pelo meu caminho
Sua coxa é quente, sinto e deslizo
Intenção pulsante, objetivo sombrio
Você cheira a álcool e suor frio
Então me provoca a cada sorriso
Puxa com força, seu beijo é um tiro
Me tira do sério, queima o pavio
Não me aguento, paro no meio fio.
Te coloco no colo, 'cê pede, eu tiro,
Nossos corpos se encostam, embaça o vidro
Momento de êxtase, em pensamento anuncio:
Menos uma noite sozinho.

O interfone toca, o porteiro anuncia
Te recebo na porta, "você está linda"
Você me pergunta se pedi comida
Que tem pouco tempo, está de saída
Só veio me ver, bagunçar minha vida
Os copos e pratos acumulam na pia
Me joga no sofá, você vem por cima
Sua bolsa no chão, seu celular vibra
A gente ignora, seu chefe te liga
O suor se mistura, o ritmo sincroniza
Os corpos contraem em perfeita sintonia
Você se levanta, recolhe sua calcinha
Com um beijo no rosto sinaliza a saída.
Mais uma tarde sozinha.

Observo seu rosto, respiração lenta
Você sonha com algo, expressão serena
Vira de lado, numa ação desatenta
Te abraço apertado, me desorienta
Me abraça de volta, quase por pena
Sol invade a janela, ilumina a cena
Fotografia perfeita, coisa de cinema
Apresentação única, você é o tema
Seus olhos se abrem, minha tensão aumenta
"Bom dia, bebê", ela diz sonolenta
"Volta a dormir, já cancelei sua agenda"
Outro sorriso, meu coração não aguenta
Minha mão desliza nas costas e desenha
Um dia como esse não precisa de legenda
Volto pra lugares que minha mente frequenta
Primeira manhã e o fim do poema.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Perdi a chave.

As metáforas pouco valem diante da verdade que sou obrigado a encarar. O que veio de um processo quase natural inevitavelmente teria consequências catastróficas. Não sei mais se tomar o controle das coisas foi um processo lento e doloroso, mas eventualmente eu consegui e me orgulho muito disso. Mas sinais surgiram nos últimos meses de que algo estava errado. Quer dizer, os sinais sempre estiveram ali, mas foram só nos últimos meses que fui obrigado a não ignorá-los. O grande quadro branco com um ponto preto no meio em que eu me esforçava tanto pra manter a consciência do ponto apesar de não focá-lo que eu ignorei que o quadro estava coberto de outros pontos de tamanhos e densidades diferentes. Nosso cérebro prega peças demais. Daí pra descobrir que na verdade o que eu escondia dos outros já não estava sobre meu controle foi um passo longo e doloroso. Eu guardei o que eu considerava nocivo tão bem guardado, e me orgulhava de não estar ao alcance de ninguém, que eu perdi a chave. Simples assim. Agora que me vejo na necessidade de não guardar mais essas coisas e aprender a dominá-las de outra forma, não tenho mais acesso. Infelizmente a senha se perdeu em alguma atualização antiga. E isso me desmontou demais. Eu estava planejando a melhor forma de poder divulgar o que eu escondia para o mundo quando bati a mão no bolso e senti o frio na espinha. O crescimento contínuo e pessoal que vinha fazendo encontrou um muro alto demais para pular e que eu mesmo construí, a única solução é dar a volta em um novo processo longo e cansativo, para depois continuar seguindo em frente. Quando eu era jovem, eu me permiti uma transição brusca de tudo que eu acreditava que eu era. Hoje não tenho mais cabeça pra isso, não posso me dar ao luxo de ser algo completamente diferente. Mas alguns pontos são necessários e o processo agora é milhões de vezes mais difícil. Além de tudo preciso lidar com as consequências de escolhas do passado. Eu estava em um labirinto, perdido, mas com consciência de que existia uma saída. Encontrei a saída e percebi que perdi a chave no caminho. Eu sei que ela está ali em algum lugar, infelizmente terei que voltar o caminho inteiro procurando.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

O caminho para dentro é mais longo.

Quanto mais eu entranho em minhas camadas
Mais coisas erradas eu encontro.
Sigo tonto, tropeçante, vacilando a todo instante.
Descobrindo tudo aquilo que insisto em reprimir.
Sumir não é o caminho,
Algumas jornadas precisamos fazer sozinho.
Mas por que é tão difícil enxergar o que está tão perto?
Certo que de tão próximo se escondeu
e o caminho para dentro é mais longo que o caminho pro céu.
Mas reprimo novamente, corpo sob mente,
Porque continua essa estrada emocional
Se não me forçar ao próximo passo
O próximo lugar que passo pode ser o final.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Vende-se.

Caiu a parede que sustentava o espelho,
O rejunte, velho e moído pelo tempo, não segurou.
Cairam também as colunas, chão e teto.
De tudo que construímos, muito pouco que restou.
Entulhos jogados em terra batida,
Terreno baldio, infértil e sem cor.
Na placa de vende-se anuncio a vida
Como em um vaso que não nasce mais flor.