quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Bússola.

Quando a bússola parou de funcionar, comecei a seguir as estrelas. Mesmo com o vento contra, consegui chegar mais longe do que imaginei. Aprendi a me guiar olhando para o céu e assim foi minha vida inteira, sentia pena de quem dependia de instrumentos tão ultrapassados para indicar a direção. Minha orientação vinha do além-tempo, de pontos luminosos que nem existem mais mas marcaram os céus com sua presença e vão continuar marcando por anos-luz depois de mim. Mas um dia acordei com o céu nublado, sem infinito em nenhuma direção. Acordei perdido e cansado, me perguntando a quanto tempo estou na contra-mão. Procurei meus velho referenciais, não encontrei ou não soube usá-los. Olhava inutilmente pra cima como se por dó as nuvens se abrissem pra mim, não aconteceu. Escolhi ao acaso um caminho a seguir, torcendo para que não fosse o pior e ali fui enquanto as estrelas não voltassem. Caminhei por dias, meses, anos, sem chegar a lugar algum. O tempo continuava fechado e meu tempo acabava-se aos poucos. Objetivos, sonhos, metas, tudo que era tão claro foi ficando para trás no caminho enquanto eu esquecia como me guiar e minhas pernas perdiam força a cada passo. Até que, chão. A falta de referencial me atinge como pedra e desisto. O sangue escorrendo esquenta meus dedos e enquanto eu perco a consciência de costas no chão, vejo ele novamente no céu. O Cruzeiro do Sul.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aproveita e comenta aí!