sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Expectativa.

Expectativas de forma geral foram feitas para serem quebradas. Depositar em outro ser humano o mínimo de esperança de que algo positivo possa acontecer é o caminho certo para a decepção. Ao mesmo tempo, a completa falta de expectativa é impossível, a não ser em casos onde um realmente não nutre ao outro o mínimo de respeito. Mas a palavra carrega um peso de responsabilidade em si. Porque a expectativa se mal gerida, vem acompanhada de cobranças ao outro, e o que era um sentimento se torna um problema quando externalizada. Do lado oposto, também existe um problema de que dificilmente alguém disposto a suprir as expectativas de um parceiro, por exemplo, poderá adivinhá-las caso elas não sejam externalizadas. E quando a expectativa inclui justamente a espontaneidade da ação, entramos em um paradoxo. Como cobrar alguém de algo que cobrá-lo já invalidaria sua ação? Pedir a todos em sua volta que preencham o vazio deixado justamente pela ausência dos que estão a sua volta? Porque existe uma linha que divide as suas vontades e necessidades da individualidade do outro, e mesmo dentro de uma relação onde alguns acordos são firmados, essa linha não pode ser ultrapassada. E entender as expectativas que você mesmo coloca sobre seus amigos, parceiros e familiares é entender justamente que a vontade deles deve sim ser absoluta em seus atos, que impôr o que você espera deles não deve ser uma opção. O diálogo deve existir, a reflexão, mesmo que como guia para o processo e decisão, mas a decisão final é sempre individual. Escolhas que devem ser respeitadas, mesmo que elas tenham consequências negativas previamente apontadas. Infelizmente o aprendizado pessoal, como o próprio nome diz, é pessoal. A maioria das pessoas só entendem a dor quando é na própria pele, e nem todos estão dispostos a abrir mão das suas vantagens pra diminuir uma desvantagem (ou em benefício) do outro. O exemplo e o diálogo podem existir mas, mais uma vez, a decisão final é sempre do outro. Escolhi viver o que eu espero dos outros, em vários níveis. Não ter medo de ir atrás, de abrir mão de algumas coisas se julgar que o benefício geral será maior do que o meu próprio. De me expôr e falar sobre o que eu penso e o que eu sinto, pra não deixar dúvidas ou lacunas. Mas como todo o resto, é uma decisão minha, sobre como eu vejo o mundo. Não é algo a ser cobrado do outro. Eu decido como eu vivo minha vida, os outros decidem como vivem a delas. O que me resta é esperar pelo melhor e diminuir as expecativas.