quarta-feira, 4 de abril de 2018

Poder.


O poder é uma rosa pequena, frágil e de cristal
E mesmo que sua mão pesada bata forte
Ainda precisa da validação do outro pra ser real
Mas qual o sentido de se sobrepor
Se o sobreposto precisa permitir
Será se os homens pedem pras formigas
"É ok se eu pisar aqui?"
E mesmo um deus todo poderoso
não perde tempo perdindo permissão
Aos humanos cheios de falhas
Que se humilham e imploram perdão
Mas o poder quando enfrentado,
Se a cabeça do outro não abaixa,
Ele se ofende como menino mimado
Que recolhe os brinquedos em sua caixa.
"Quem é você que não me reconhece,
não vês que sou todo-poderoso?"
Se fosse realmente quem você parece
Não estava discutindo como ouso
Apenas me puniria sem dizer porquê
Usando do que você tanto diz ter:
Poder.