quinta-feira, 30 de julho de 2015

Filhos do Césio - Prólogo

Bartolomeu se arrependia várias vezes por dia de ter trago seu filho pra mais essa expedição. O molecote mal tinha completado 12 anos e não conseguia se concentrar na viagem, como era típico da idade. Eles andavam há dois meses, saindo de São Paulo e rumo ao Rio Vermelho, mas parece que não chegavam muito. A comida começava a rarear e o menino começava a sentir o peso de ter acompanhado o pai.
Bartolomeu já perdia a conta de quantas expedições participou, mas tinha rodado por toda a terra nova e pisado em cada capitania. Ficara sabendo que mais pro interior havia índios com ouro em abundância e que desconheciam o valor do metal. Naquela época era o que importava. Quando seu avô chegou de Portugal na terra nova, os índios aceitavam qualquer coisa em troca de seus bens, hoje a única coisa que seu grupo oferecia era matá-los com maior agilidade para que não sofressem muito. Sua expedição já era famosa em Lisboa.
Porém, a sorte não parecia estar do lado deles justo na vez que seu filho resolveu os acompanhar. O mau humor da fome, a dificuldade de se localizar, tudo estava dando errado. Ele sonhava em ver seu filho rei daquelas terras, em um trono de ouro maciço rodeado de cortesãs e índias intocadas, para seu deleite.
Ele mesmo já tinha vivido o suficiente. O próprio filho era fruto de uma negrinha qualquer que encontrou por aí. Ele a usou uma vez, e quando voltou pra São Paulo encontrou ela com o moleque de lado. Era a cara do pai. Curioso, explorador, empolgado. Quando crescer vai ser um sucesso entre as mulheres e, se Deus abençoar suas andanças, vai ser o Rei daquelas terras.
Manuel Raposo comandava a expedição aquela hora, abria os caminhos e nos guiavam. Bartolomeu ficou pra trás para acompanhar o filho que andava cansado. O menino não tinha forças nem pra reclamar mais, mas Bartolomeu sabia que não podiam montar acampamento antes do anoitecer, onde os responsáveis pela guarda ficariam a espreita. Mas que seja, o menino precisa se acostumar com as viagens se ele quiser também ser um conquistador.
Às vezes, Bartolomeu pensava se seu filho compartilhava suas aspirações. Se ele na verdade não gostaria de ir estudar em Lisboa e se tornar artista, ou virar tabelião na cidade. O relacionamento dos dois sempre foi muito próximo, se ele quisesse algo que fosse diferente o garoto o falaria.
O garoto mal conseguia segurar os olhos abertos. Bartolomeu começou a ficar preocupado. Quando ele tropeçou e caiu, Bartolomeu soube que era hora de parar. "Raposo, descansarei com meu filho. Alcanço vocês antes do amanhecer ou partam sem mim". Manuel, que achara desde o início uma bobagem carregar o garoto na viagem, deu de ombros e mandou a comitiva seguir. Com algumas guarnições e um pouco de cachaça para aguentar o frio da noite, Bartolomeu e seu filho pararam sob uma árvore, onde Bartolomeu observou seu filho descansar.
Depois de um tempo e com o Sol bem mais baixo, Bartolomeu acordou seu filho, deu um pouco da água de seu cantil e foram seguindo a trilha deixada pelo seu grupo. Tentando manter o ritmo mais rápido, ele tentava animar seu filho para que não se perdessem para sempre do grupo. O garoto, ainda cansado, pouco respondia as tentativas de conversa de seu pai.
Frustrado com a pouca interação de seu filho, Bartolomeu resolveu conversar finalmente sobre o que ele queria da vida. Virou bruscamente já com raiva no olhar e se arrependendo novamente da decisão e... seu filho tinha sumido. O desespero tomou conta dele. Ele corria de volta na trilha, chorando de raiva como se botasse pra fora todas suas frustrações. Tentava não gritar, com medo de chamar atenção das tribos que poderiam morar na região.
Quanto mais ele corria, menos ele reconhecia o lugar onde estava. Agora gritava a plenos pulmões o nome de seu filho. Queria não ter levado o garoto nessa expedição, ele não estava pronto ainda. A dor era tão desesperadora que desejou não ter saido da casa de seu pai, ainda novo, para conhecer novas terras. Assim não teria conhecido a mãe de seu filho e o ato não seria consumado.
A noite caiu e com ela seu coração. Ajoelhado em prantos, com a floresta iluminada apenas pela lua, já tinha perdido as esperanças de encontrar seu filho e agora também sua comitiva. Faltava-lhe ar para chorar, faltava-lhe motivo para se mover. Até que bem distante: "PAI!".
Tirando força de sua fé e o amor pelo seu filho, Bartolomeu levantou e correu em direção ao grito. "PAI!", ele ouvira de novo, apressando mais ainda seu passo. Os galhos cortavam-lhe o rosto e os braços, mas seu desespero era maior. Seu filho estava bem e isso que importava. Correu por milhas até que enxergou ao longe a luz de uma fogueira. O chamado vinha de lá. Graças ao Senhor, seu filho encontrou um local seguro, ou quem sabe ainda encontrou uma comitiva!
Correndo desesperado, ele parou próximo a fogueira e não viu ninguém. Uma clareira gigantesca se abria em sua volta. Ocas de palha se erguiam majestosas em sua volta. Ele estava sozinho e em território inimigo.
Pouco a pouco, nativos saíram de suas casas, carregando lanças e zarabatanas que Bartolomeu conhecia de tantos outros encontros. Tentou falar em uma das línguas indígenas que aprendera nas viagens, o que só os tornou mais hostis. Cerca de 30 homens nus e pintados para a guerra o cercavam, como se os estivessem esperando. Os homens se agitavam e dançavam em volta de Bartolomeu, enquanto vozes de crianças e mulheres entoavam uma canção quase demoníaca.
O homem, desesperado, que perdera seu filho e sua comitiva no mesmo dia, aceitara sua morte iminente. Ajoelhado próximo a fogueira, e vendo seu cerco se fechar cada vez mais, deu um gole em sua cachaça para aliviar suas dores físicas e psicológicas e jogou um segundo gole para a fogueira, como última oferenda aos santos que tanto os acompanharam durante suas viagens.
Os índios, cada vez mais próximos, se assustaram com o fogo que subiu na combustão da cachaça e deram um passo pra trás. Bartolomeu, vendo sua oportunidade, começou a gritar loucamente, no pouco que sabia de uma das línguas nativas, enquanto jogava pequenas quantidades de sua cachaça da fogueira: "Isso mesmo! Sou o rei do fogo e da água! Sou o rei deste e do outro mundo! Essa terra é minha! Colocarei fogo em todo o Araguaia e Rio Vermelho caso vocês não me obedeçam! Meu poder é forte! O demônio me prometeu essas terras e hoje chegou a hora de cobrar!"
A estratégia funcionou brilhantemente. A tribo logo correu para suas ocas e Bartolomeu se viu sozinho novamente no meio daquela aldeia, ouvindo apenas o fogo bruxuleando ao seu lado. Com o sucesso de sua jogada, Bartolomeu ajoelhou aos prantos, segurando fortemente um terço em sua mão e agradecendo a dádiva de sair vivo dali.
CLAP
CLAP
CLAP
Bartolomeu olhou assustado e viu um homem alvo, roupas da nobreza portuguesa, um cabelo muito negro e alinhado, como se acabara de sair da tina de banho, batendo palmas lentamente. "Belo show, Bartolomeu. Agora se levante que temos muito que conversar". Bartolomeu se levantou assustado, olhando em volta. Dentro das ocas não se ouvia uma respiração.
"Qu-quem é você? Você fala minha língua?"
"Sou o Demônio, oras. E falo todas as línguas. Que pergunta, você acabou de me chamar! Ou você realmente achou que seu showzinho assustou aqueles guerreiros?", Bartolomeu olhava atônito para o senhor. Nunca vira alguém tão refinado na vida, era como se seu corpo estivesse constantemente a se ajoelhar de referência para ele.
"A notícia boa é que seu filho está bem", Bartolomeu soltou um grande soluço e desabou no chão, abraçado no pequeno crucifixo.
"O que você quiser, pode pedir, é seu. Te dou todo o ouro dos Goyazes, monsenhor. Tenho mais ouro guardado em minha casa."
"Guarde seu metal para você, velho Bartolomeu, ele não me serve de nada.”
“Pegue minha alma, monsenhor. Minha vida. Apenas poupe meu filho, faça-o voltar vivo para a Capital e seguir uma vida longe das matas e matanças”.
“Eu faço os termos aqui. Mas não se preocupe, todos saíremos ganhando dessa conversa. Seu filho será um explorador como você, porém muito mais sucedido. Toda essa terra que estamos aqui será dele e ele terá todo o ouro que um homem pode ter em sua vida. Ainda mais, o nome dele ficará na história destas terras para sempre e o seu também, de certa forma.”
“E qual o seu preço, velho diabo? Diga-me logo e diga-me onde está o pequeno Bartolomeu!”
“Espere mais um pouco, homem! Minha fala ao meu tempo. Por trezentos anos essa terra prosperará. Grandes civilizações nascerão aqui e tudo o que se plantar vai nascer. Quando o ouro acabar, o gado e o café garantirão a riqueza do povo de seu filho. Mas…”
“Demônio, diga seus termos de uma vez!”
“Mas assim que esses trezentos anos se findarem, essa terra volta a ser minha. A loucura e o caos reinarão. Pais matarão seus primogênitos, crianças deformadas sairão dos ventres, e tudo será tratado como algo normal e corriqueiro”.
“E a gente? O que você quer da gente?”
“De você, Bartolomeu? Apenas jogue seu cantil na fogueira para selarmos nosso contrato e você terá seu filho de volta”.
Bartolomeu descartou seu cantil que virou cinzas e fumaça de uma só vez. Então tudo ficou escuro e acordou no meio da mata novamente. O sol já no centro do céu enquanto Manoel Raposo batia em sua cara. “Você tem um garoto de ouro. Você desmaiou e seu filho tem cuidado de você desde então. Como vocês não chegaram, voltamos para procurá-los e encontramos os dois deitados à beira da mata”. Bartolomeu abraçou seu filho fortemente, enquanto chorava. A expedição continuou e em dois dias acharam o caminho para o Rio Vermelho, onde acharam indícios de ouro por todo seu trajeto.
Durante os anos seguintes, Bartolomeu sonhou com o homem alvo e arrumado, mostrando pedras que matavam, máquinas que voavam e pessoas sendo transmitidas por todo o planeta contando sobre suas próprias maldades. Ele nunca contou para seu filho sobre o encontro que teve na mata aquela noite.

Seu filho despontou cada vez mais como um grande explorador e um dia, bem mais velho, foi a corte do Rei D. João para pedir permissão de explorar as terras em que seu pai achou indícios de ouro há anos. Quando voltou para casa para contar as boas novas, encontrou-o morto em sua cama.