sábado, 18 de agosto de 2012

Sobre suas mentiras e as minhas verdades. (Parte 2)

É impossível ser sincero com as pessoas quando nem você mesmo sabe o que é verdade e o que não é. Falar a verdade pra alguém requer um pouco mais do que a coragem (que poucos tem), o passo essencial de se falar a verdade é saber o que ela é. Ter certezas e seguranças na vida. Se você não se sente firme nem no chão onde pisa, se a pressão é grande demais, você vai continuar se contradizendo, falando coisas sem pensar, enganando pessoas e sempre passando uma impressão errada de quem é você. Não é que você finja ser quem você não é, é que você não sabe o que é e por isso tenta ser o que os outros esperam. Saber o que se é não é fácil, muitos morrem tentando. Mas cobrir-se de uma casca tão superficial que não resiste a primeira agulhada é tão adolescente quanto se trancar no quarto como revolta ao castigo que os pais impuseram (se trancar no quarto). Com a idade, vem responsabilidades, sua palavra começa a importar cada vez mais em se você não consegue ter credibilidade nem com os que estão em sua volta, não vai ser o mundo lá fora que vai te reconhecer. E a epifania dessa noite foi essa: só se consegue ser sincero com as pessoas quando se é sincero consigo mesmo. Espero que vocês tenham aprendido alguma coisa na lição de hoje.