quarta-feira, 18 de julho de 2018

Amor-próprio.

Existem palavras que são difíceis demais de falar, principalmente por causa do peso que elas carregam pra gente. O significado pessoal é muito maior que qualquer definição do dicionário e seu uso indiscriminado pode gerar até mesmo um vazio semântico. E quando você acha que ultrapassou a maior barreira do mundo em dizer algo para alguém, você percebe que voltar aquilo para o outro é bem mais fácil do que para si mesmo. Não que você não seja merecedor, muito pelo contrário, racionalmente entende e construiu seu mérito, mas falar isso voltado para si se mostrou quase impossível. Porque entende perfeitamente o que aquilo é para o outro, e como identificar, mas para si já não tem tão claro assim. Desviando de clichês de propagandas motivacionais, onde o discurso se esvazia mais uma vez, agora com ambições comerciais, você sabe que não é só aquilo. Não é raso, não são pequenas ações, não são pequenos momentos para si, é algo maior e, por enquanto, difícil de identificar. E quando a própria indefinição de algo que poderia ser tão clichê te afeta de um tanto, difícil explicar que sua tristeza não originada de outro, e sim de uma frustração (decepção talvez) de não conseguir aplicar ou aceitar algo que parece tão claro e tão óbvio, por simplesmente não ter certeza do que é que aquele sentimento significa quando voltado para si. E de todas as dificuldades em externalizar isso, o mero fato de escrevê-lo já se mostra outra barreira, buscando novamente o atalho da descrição em uma análise racional só para não ter que escrever realmente o que é tão difícil falar. Fica no ar então.