quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Herdeiro.


Dizem que estou louco, mas mais louco está quem acha que observarei minhas terras serem invadidas por bárbaros estrangeiros! O que meu pai diria? Pelo menos nosso povo nunca duvidaria de suas decisões. Malditos ingratos! Dediquei minha vida a eles. Enquanto meu pai ocupava o trono com mãos de ferro, era o meu pescoço que estava sendo arriscado na frente de nossos soldados.
Meu batalhão me seguiria até os portões do inferno, mas hoje olho para meu exército e só vejo gordos, preguiçosos, aproveitando o almoço fácil dos campos de treinamento. Meus irmãos, meus cavaleiros, morreram para que um bando de imprestáveis pudessem reclamar de meu governo.
Minha esposa vira o rosto quando passo, passa verões na nossa casa de campo e invernos na casa de seus pais. Levou meu primogênito com a desculpa da erudição, me impedindo de ensiná-lo a arte de se empunhar uma espada.
Sou um velho abandonado em um castelo de inúteis. Desconfio que metade dos cozinheiros já não trabalham mais aqui. Meu serviçal de confiança, meu braço direito, anda me escondendo coisas. Percebo as movimentações e as palavras miúdas pelos corredores onde passo. Nem meus cães me respeitam mais.
E ainda assim, toda manhã, desembainho minha espada para treinar sozinho. Do frio da manhã até o ponto do sol mais alto no céu. Vez ou outra um jovem soldado junta-se a mim, desconfio que por dó ou por ordens de seus superiores. 
Me tornei o velho que todos riem quando vira as costas. Me lembro do velho ermitão que surgia no reino quando eu era menor, cheirando urina e carregando velhas panelas. Nós jogávamos maçãs podres e corríamos, ele as comia com seus dentes podres. Não me jogam maçãs ainda, mas não demorará e o desrespeito deixará de ser velado.
Bando de ratazanas! Maldito meu ancestral que colonizou essas terras e a deixou própria para o plantio. Que esses parasitas morram da febre negra! Sinto falta das palavras duras do meu pai. Ele teria cortado a cabeça de um e os outros teriam aprendido a lição. 
Maldito coração que me fez me apaixonar por uma donzela que amava a outro. Nem todo o ouro do mundo compra o coração de uma mulher. Tenho seu primogênito mas não tenho sua atenção. Desconto minhas noites frias nas pobres criadas do reino. Quando ouço o choro quase silencioso do pós-coito, mando-as de volta a seus aposentos e tento me aproveitar ao máximo o cansaço momentâneo do meu corpo para conseguir dormir.
Velho, louco e cansado. Todos esperam para que eu durma de uma vez por todas o sono eterno enfim. E cada vez mais espero também. Me juntar a meus últimos aliados, se é que meu sangue, mesmo que derramado fora de batalha, ainda valha alguma coisa. Ó, Senhor das Guerras, por que não me proveras de uma morte honrosa? Por que me deixastes idoso, senil e desconfiado? 
Cada desjejum é a esperança de que algum criado tenha finalmente criado coragem para me envenenar de vez. Covardes! Nem para tramar minha morte esses infelizes conseguem.