segunda-feira, 30 de março de 2009

Pequena Cidade, Grandes Desastres.

Acho incrível a quantidade de coisa bizarra que acontece aqui em Goiânia. Para uma cidade de pouco mais de um milhão de habitantes, acho que a gente aparece demais no Jornal Nacional. Sério, eu não lembro quando foi a última vez que eu ouvi falar de uma coisa bizarra acontecendo em Porto Alegre, por exemplo, já aqui em Goiânia sempre acontece umas coisas estranhas. Há umas duas semanas atrás, eu estava com minha namorada em um bar frequentado por universitários, perto da faculdade dela quando me chega um pessoal falando que caiu um avião no Flamboyant (maior shopping da cidade e da região do centro-oeste, segundo dizem). Eu ri, claro. Essas coisas não acontecem. Imagina cair um avião no shopping que minha mãe vai todo sábado. E pior, depois ainda vieram dizer que o cara tinha roubado o avião, tava com a filha dentro, antes tinha jogado a esposa pra fora do carro e mais antes ainda ele tinha estuprado uma menina de 13 anos. Uhum., sei. Agora que você me diz que esse cara era o filho cego do Roberto Carlos e que o avião que ele roubou era o Ed Force One, o avião do Iron Maiden. Há pouco tempo um sujeito tomou um tiro na frente da boate sertaneja. Antes teve um churrascão à la inglesa com os cumprimentos do chef Mohamed. Teve também uma mulher que maltratava uma menina, trancava ela na área de serviço e apertava a língua dela com um alicate, que por acaso morava na frente de onde eu pego o ônibus atualmente pra faculdade. Antes um pouco, teve a Dona Vilma que sequestrou o Pedrinho (que estudava no mesmo colégio que eu) e fez ele acreditar que era a mãe dele, foram pesquisar ela não só tinha pegado o menino, como ela tinha roubado todas as filhas também quando bebê, e sabe-se lá se aquele cachorro era realmente dela. E pra terminar com a enumeração de coisas bizarras, temos o "MyOwnChernobyl", onde os caras acharam um lixo radioativo, pegaram umas pedrinhas brilhantes e saíram distribuindo câncer pela cidade toda. O mais bizarro disso tudo é saber quão próximo essas coisas são. Goiânia não é uma cidade muito grande, e sempre tem um amigo de um amigo seu que conhece alguém envolvido nessas coisas. Mas você pode contra-argumentar: "Ah, em São Paulo essas coisas acontecem todo dia.", mas pô! Goiânia tem 5% da população de São Paulo. Aposto que na Índia nascem 2 pessoas com oito pernas para cada cem milhões de habitantes, e ainda assim teremos muita gente com oito pernas, mas eu estou falando de lugares pequenos! Analisando a situação de maneira mais ampla, podemos dizer que talvez essas coisas bizarras sejam todas frutos da primeira coisa bizarra que aconteceu por aqui, que foi o acidente com o césio. Muito enganado você está pensando que aquilo só trouxe câncer e morte aos goianienses, aquele acidente causou severas cicatrizes na mente das pessoas. Elas pensam que como já comeram omelete de césio, tem a desculpa para fazerem o que quiserem. Não é bem assim que funciona não. Mesmo você tendo um leve resquício de césio no seu sangue que faça com que sua pele brilhe levemente no escuro, isso não é desculpa pra sair por aí roubando avião e jogando em shopping não. Porra, minha mãe poderia estar lá, cara!

sábado, 21 de março de 2009

Analisando: ESPECIAL.

Apresento a vocês um "Analisando" Especial. Aí você me pergunta: "Especial por quê"? Especial porque foi minha namorada que sugeriu, especial porque eu fiz um amigo recentemente que realmente gosta disso (e que recentemente eu descobri ser uma celebridade do YouTube) e especial porque eu uso, acho que pela primeira vez, aquela boa e velha regra de usar letras maiúsculas depois de pontos finais. Espero que vocês se divirtam proporcionalmente à vergonha alheia que senti realizando este texto

Com vocês:

ANALISANDO: Jorge Vercilo - Homem-Aranha (Letra e Clipe)





Umas liguinhas, um ninja subindo uma corda, ou descendo e o Jorge Vercilo brincando de elástico, se perdendo e parando de brincar. Deve ter passado a tarde inteira nisso. Se cansa, e vai ver uns rascunhos de quadrinho. Detalhe que passa um trabalhador civil ali subindo um andaime. Desce um ninja, sobe um trabalhador civil. Tá massa até agora. Opa! Um limpador de vidros, e temos o Jorge Vercilo na escada numa pose estranha e começa a cantar. Ele gosta de andar no abismo numa noite VIRIL (WTF?!?!?) saltando entre os edifícios (dá um pulinho pra beirada da sala), será que o limpador de vidros não tá vendo o ninja do lado dele? Eu teria me cagado todo se eu tivesse lá de boa limpando vidro e surgisse um ninja. Sério mesmo. Uma mini animação do esboço do homem-aranha-fake, e o Jorge vercilo viu você em poder de um fugitivo. O Jorge escalando uma parede com a bundinha arrebitada, onde a gravidade certamente não concorda e continua puxando a camiseta dele pra baixo. A câmera vira e ops! Estamos em um set de filmagem, era tudo mentira e temos dois ninjas descansando na beirada da janela. Claquete e outro ninja. Enquanto isso ele te fala que o tal do fugitivo te fez refém nos precipícios (WTF?!?!?!) e que ele se apaixonou a primeira vista. Ele se jogou de onde o céu arranha (e faz um movimento cat woman pra demonstrar que o céu estava sendo arranhado), teias e CINCO NINJAS! Ele te salvou com a teia dele e se apresentou como o Homem-Aranha, "Seu herói", *jogadinhadepescoçoecarinhadesafada*. Agora a parte que ele fala como o herói tem uma vida como de qualquer outro, fazendo compras, arrumando a antena, cuidando do bebê, fazendo uma dancinha que não é maneira de modo algum. Mais ninjas, inclusive usando o andaime do trabalhador civil, o que me faz refletir se ele realmente era um trabalhador civil ou apenas mais um ninja disfarçado. Nunca se sabe o que se esperar de um ninja. Jorge vercilo fazendo um movimento com as mãos como se ninar bebê fosse a coisa mais prazerosa que alguém pode fazer na vida. Agora uma das partes mais constrangedoras. Jorge vercilo na beirada do prédio em pose de homem-aranha, reclamando que tá cansado de deter crime e que ele tem uma idéia melhor, você na teia dele. Por algum motivo ele cita Brasília nisso tudo, avulso. Vemos ele correndo em um beco e abrindo seu sobretudo pra mostrar a camiseta de teia aranha que ele comprou na C&A quando saiu o primeiro filme. Jorginho no meio dumas cordas brancas, falando que está nas suas mão nessa ingênua sedução e que tá preso na sua teia. a cara de "TÔ QUEREEEEEENDO" me faz pensar se ele tá cantando pra Mary Jane ou pro Harry Osborn. Sons indescritíveis pela boca com braços abertos e ele começa a cantar tudo de novo. (pausa dramática) ele brincando de elástico. ele brincando na construção como se fosse aqueles playgrounds. limpador de vidros (deve ser um ninja disfarçado também) e um ninja. ninjas por todos os lados agora. Jorge vercilo faz uma coreografia do tipo "eu fugindo de balas". AHÁ! canto direito vemos o trabalhador civil que agora já sabemos que é um ninja. Jorge vercilo dá uma corrida constrangedora e pula. ninjas, e o Jorge vercilo cai. claquete. Jorge nas teias em mais uma pose constrangedora. falando em poses constrangedoras, temos de novo ele agachado na beirada do prédio usando uma FUCKING BOINA. puta que me pariu. caras e bocas. e OLHEM PRA ELE AJEITANDO A ANTENA DA TV. por que ele faz essa cara de ternura quando está falando de acordar pra ninar bebê? ninguém gosta de acordar de madrugada por causa de bebê. Jorge vercilo entra no beco agora com umas compras e é cercado por uns ninjas. que só querem dar uma olhada mesmo. por algum motivo o último ninja volta pra dar uma conferida, provavelmente um daqueles negócios de "caralho, conheço esse cara de algum lugar. puta que pariu, é o Jorge vercilo". ele realmente precisa ficar fazendo essa cara de safadeeenho e essa jogada de ombros? IRULIULIURULIURU. esboços de animação e ele numa guitarra, visivelmente não é ele que faz os solos da musica. sério, tá ficando chata essa dancinha, vergonha alheia. não dá, se ele fazer essa cara de bicha dando chilique de novo eu paro de ver o clipe aqui. não, cara, não faz isso com as mãos, sério mesmo. beco de novo, um ninja e olha só! o ninja era o próprio Jorge vercilo! ou um irmão gêmeo. isso explicaria o porque dele ter olhado pra conferir quando SE viu na rua, afinal, ninguém ia parar pra ver o Jorge vercilo, né, gente?


então, amigos, o que entendemos? na verdade, esse clipe foi umas das coisas mais constrangedoras que eu já vi na minha vida. o Jorge vercilo mora numa construção que é cercada por ninjas. os pedreiros ignoram o fato de ter alguém morando lá e ter ninjas e continuam seu trabalho. o Jorge vercilo precisa atravessar um beco muito perigoso pra voltar pra casa das compras, já que existem ninjas na cidade toda, num vibe meio Konoha do Naruto e... (silêncio constrangedor). Vamos a letra! segundo a letra nós temos o homem-aranha que anda por aí em noites VIRIS. um dia ele vê alguém que tá sendo mantido refém por um fugitivo da polícia, o homem aranha salva a pessoa e meio que dá em cima dela usando umas cantadas porcas do tipo "eu tô na sua teia" (entendeu? ele é o homem aranha, teia, risos.). sério, vergonha alheia. MUITA.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Pizza de Frango Com Catupiry

quando eu era pequeno eu meio que tinha essa grande fixação por pizzas de frango com catupiry. acho que fui induzido a isso, vendo que hoje minha mãe só come esse sabor de pizza. lembro de ir na mister pizza do flamboyant (aquele shopping que caiu um avião) e pedir umas pizzas tamanho família ou apenas umas fatias individuais enorme para o meu tamanho, e nunca exitava, era sempre pizza de frango com catupiry. e assim se manteve até que eu virei um adolescente esfomeado que parei de escolher o sabor da pizza e comia o que tinha, o que, como uma consequência disso, me tornei um jovem que aprecia vários sabores de pizza, entre eles, claro, pizzas de frango com catupiry. o problema é que ultimamente eu tenho me decepcionado muito com essa pizza de frango com catupiry. nenhuma que como parece ser boa o suficiente, não tenho certeza se é culpa das pizzarias que frequento ou se é apenas uma daquelas coisas que "não são tão boas quanto eram na nossa infância". sabe aquela sensação que as coisas perderam a qualidade? tipo casseta & planeta? aquilo que você jura que era bom quando você era mais novo e hoje em dia você olha e vê que é uma porcaria? aí a gente nunca temos certeza se sempre foi uma porcaria e a gente era inocente demais pra perceber ou se realmente perdeu qualidade. lógico que isso se aplica ao casseta e planeta, não a pizza, mas acho que vocês entendem do que eu estou falando. então, já tem alguns meses que eu venho reparando nisso, toda vez que eu como uma pizza dessas eu fico com a sensação de que ainda não é o que eu estou procurando. estou "em busca da pizza perfeita", mas não tenho certeza se essa pizza existe realmente ou se é apenas uma coisa idealizada por mim. vai chegar em um momento que eu vou ter que admitir minha derrota e aceitar que talvez a pizza que eu passei minha infância inteira comendo não era tão boa quanto eu imaginava, ou talvez eu encontrarei a tal pizza de frango com catupiry perfeita e poderei continuar comendo de todos os sabores com a consciência de que quando eu precisar de uma pizza de frango com catupiry para me confortar em um dia frio, ela estará lá e tudo que eu preciso fazer é uma ligação que ela vem até mim.

terça-feira, 10 de março de 2009

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº14: eu acho que todo poeta deve ser um homem duplo, porque você não pode viver poeta 24 horas por dia. de dia, um homem comum, de noite um poeta em casa. as pessoas que vivem poesia são invariavelmente chatas e pedantes. pelo menos as que eu conheci. a vida não é tão lírica. sério mesmo. e sendo um homem duplo, você não deve confiar neles. eu, pelo menos, não confio em ninguém que escreva poesias.

sábado, 7 de março de 2009

Menina dos Olhos (Vermelhos)

por que ela está tão risonha
e me olha tão distraída?
será que é o cheiro de maconha
ou seu bafo de bebida?

não me importo que ela grite
ou que aja como louca
mas muito me incomoda
quando vomita em minha roupa

e na hora de ir embora
lá está ela caída
perdeu sua dignidade
mas viveu a sua vida

quarta-feira, 4 de março de 2009

Publicitários x Jornalistas Designers

tem um amigo meu que faz design gráfico há um ano e, desde que ele entrou no curso, ele me fala que existe uma rixa entre designers e publicitários, e que ninguém é amigo de ninguém. durante esse ano em que convivi com muitos designers e publicitários (enquanto eu, um outsider, fazia matemática), eu presenciei várias demonstrações de ódio e desprezo em relação a essa rixa. hoje conversando com esse meu amigo, eu me toquei de uma coisa: as provocações só vinham do lado dos designers. muitas vezes eu ouvi veteranos desse meu amigo, ou até calouros como ele, desprezando, desqualificando ou até descomungando publicitários. e o que eu percebi hoje foi que eu nunca ouvi nenhum publicitário falando mal de designers, se quer falando de designers. quando eu falo em "rixas" eu imagino dois lados se confrontando, porém, se um lado simplesmente não nota a existência do outro, não existe rixa. hoje eu percebi que essa disputa só existe na cabeça de designers. eu, como estudante de publicidade (e na época, futuro estudante de publicidade) ouvi muitas atrocidades, ofensas gratuitos e até (acreditem se quiser) esnobadas de designers. mas o que fazer quando você esnoba algo que nem sabe que você está lá? comparo essa situação com gordinhos nerds falando mal dos bonitões e populares da escola enquanto jogam HALO 3 no porão da casa da vó. é um ódio motivado exclusivamente pelo fato que um lado está pegando as meninas da escola (os publicitários) e o outro lado estão organizando guildas no WOW (os designers). um lado se incomoda, e o outro nem percebe que existe algo a se incomodar. se pelo menos eu ter conseguido mostrar pra esse meu amigo que não existe rixa nenhuma, eu já ganhei meu dia.

Pensamentos Avulsos.

Pensamento Avulso nº 13: eu não consigo escrever sobre felicidade. consigo escrever sobre a falta dela, mas sobre ela não consigo. hoje mesmo tentei escrever um poema, uma narração e duas reflexões, mas nada de eu conseguir terminar os textos. todos foram apagados no momento em que eu não conseguia continuar. e é estranho porque eu me sinto feliz (existem merdas grandes acontecendo, mas, no geral, estou feliz). deve ser um bloqueio, ou talvez seja por eu saber que ninguém nunca identificou-se com a felicidade do outro, ou seja só um bloqueio mesmo. sei lá. quando eu conseguir vocês vão ficar sabendo.