segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Sorriu de volta.

Ele viu ela do outro lado da rua, andando em sua direção, foi tudo muito rápido, ele não tinha certeza se algum dia ela já tinha notado ele. Tanto tempo observando ela na escola, era até melhor que ela nunca tivesse notado que provavelmente ela o acharia muito esquisito. Ele mesmo não conseguia explicar a facinação que ela gerava, ele ficava meio bobo, sem palavras, não conseguia prestar atenção em mais nada, nem mesmo nela. A imagem dela na sua mente ofuscava o que estivesse em volta e bloqueava qualquer tipo de reação. Fazia questão de estar sempre na frente para poder ceder seu lugar, ser o primeiro a responder quando ela perguntava as horas. Mas tudo isso era um confronto indireto, ele não tinha que encará-la realmente, mas ali, naquela rua, eles iam se cruzar inevitavelmente. Ele não podia dar a mancada de fingir que não tinha visto, e se ela o odiasse para todo sempre? Mas o que ia fazer se ele não tinha certeza nem se ela sabia seu nome? Ela se aproximava cada vez mais, seu coração disparava e sua testa começava a suar. Será que ela estava percebendo seu nervosismo? Não, é só ele continuar andando como se aquilo fosse a coisa mais natural do mundo. As vezes ela nem ia o ver e não tinha noção do que estava acontecendo, mas para ele aquilo podia ser finalmente a prova de que seu esforço não tinha sido em vão. Eles estavam cada vez mais perto, ele tinha que tomar uma decisão urgente. Era agora ou nunca. Ela passando por ele e tudo que ele conseguiu fazer foi movimentar os lábios em um "Oi" sem sair som algum. Ela sorriu de volta em resposta ao seu "Oi" e continuou seu caminho. Ela tinha o visto! Ela o reconheceu e sabia que ele era aquele garoto da escola que sempre estava em seu caminho. Será que ela mora por essa região? Como eu nunca a viu por aqui? Existe tanto a descobrir! E ela já sabe que ele existe. Tudo valeu a pena. Tudo. Em seu iPod continuava tocando Float On do Modest Mouse, ele continuou caminhando para casa.